3 de jun de 2012

ALGUNS VERBOS DA VIDA

Eu costumo dizer que temos a obrigação de refletir bem antes de utilizarmos algumas palavras e, principalmente, alguns verbos. Ser não é o mesmo que estar. Gostar não é o mesmo que amar. Omitir não é o mesmo que mentir. E, por não darmos a devida atenção, nos confundimos muito ao utilizá-los no nosso dia a dia. Antes de utilizarmos qualquer palavra, temos a obrigação de refletir sobre o significado dela na nossa vida e na vida do outro. Temos, inclusive, que refletir sobre a ordem destes verbos na nossa vida, porque é essa ordem que inúmeras vezes pode demonstrar o que e quem realmente somos...

Para mim (mais uma vez me permito apontar meu ponto de vista) a vida, basicamente, segue através de 5 verbos principais: sentir, falar, agir, estar e ser. Necessariamente nessa ordem e sem pular etapas. Parece loucura e sim, eu parei para analisar logicamente se na prática isso acontece. E acontece, pelo menos comigo! Para mim, a vida e as situações só têm sentido quando segue essa ordem...Compreendendo estes verbos de acordo com o dicionário, o sentir é perceber por meio de qualquer órgão dos sentidos (eu incluo os sextos sentidos); o falar é expressar-se por palavras; o agir é praticar ou efetuar algo na condição de agente, apresentando determinado comportamento; estar é ser em um dado momento e ser é, dentre diversas outras explicações, o que existe e a natureza íntima de uma pessoa.

Assim, o SENTIR implica perceber-se e perceber o mundo. Implica ser sensível aos agentes externos do mundo que refletirão nos agente internos de cada ser. Implica aprimorar o tato, o olfato, o paladar, a audição e a visão, buscando explorar também a intuição e todos os outros sextos (e sétimos e oitavos e nonos...) sentidos. Sentir, na prática, é quando ficamos alegre com uma flor e este fato atinge não somente a nossa visão e o nosso olfato, mas o nosso coração. Na prática, sentir é quando nos decepcionamos tão profundamente que uma dor emocional se torna orgânica. E cada um sente de formas diferentes, com intensidades diferentes e diante de estímulos diferentes. É de fora para dentro...

E de fora para dentro, passa a ser de dentro para fora. Tudo tem sentido se o sentir for expressado, num primeiro momento, pela FALA, através de palavras bem colocadas e pensadas para que não nos machuquemos e nem machuquemos o nosso próximo e para que não nos coloquemos em situações embaraçosas nas quais corremos o risco de causar prejuízos. Dizer à pessoa que cuidou daquela flor muito bem, é um meio de expressarmos a nossa alegria e contentamento em ver algo tão belo. Assim como expressar por palavras a outro ser o quanto determinada atitude nos deixou tristes. Outros verbos vem implícitos no falar... e esse falar pode acalantar ou derrubar, pode elogiar ou envaidecer, pode explicar ou complicar, sendo que tudo vai depender do uso que se faz dele e da intenção.

E daí passamos ao AGIR. Só sentir e não expressar, talvez seja pouco. Só expressar e não agir, talvez perca todo o caminhar e a graça da vida. É o agir que consolida o que sentimos e o que expressamos em palavras. Nos sentimos alegres com aquela flor, expressamos por palavras tal sentimento e agora nos propomos a todos os dias regá-la e buscar um resultado tão belo. O agir demonstra o quanto sentimos e coloca a nossa fala em ação; ele é dinâmico, ágil e prova/comprova - ou não - os verbos anteriores. Particularmente, eu considero este um dos verbos mais difíceis de aplicar. Tão simples, tão fácil e tão complexo ao mesmo tempo. Já imaginou um mundo em que as pessoas conseguissem transformar em ações todos os sentimentos e as palavras que elas têm diariamente? E do agir, passamos a estar algo.

O ESTAR é algo passageiro, momentâneo. Como vimos acima, o estar é ser algo por um determinado momento e diante de uma determinada situação. Podemos não ser bons cuidadores de flores, mas naquele momento estamos sendo bons cuidadores de flores. Nenhum ser é efetivamente se não passar pelo estar. São sucessivos estar que nos tornam seres. Eu estou triste hoje porque passei por uma situação difíceil, mas amanhã, com essa situação resolvida e superada, eu volto a ser feliz. E são sucessivas repreensões do estar que aprendemos a ser. É a prática do estar algo que nos modificamos para sermos algo. E lógico, o estar envolve o momento atual... Estou corpo, estou médico, estou magra, estou rica... Mas nada disso efetivamente me pertence, pois eu sou espírito.

E chego ao SER. Uma das conquistas mais difíceis e complexas de todos nós que nos encontramos nesse planeta, vivendo este momento. Considero doloroso chegar ao ser, porque na maioria das vezes optamos pelo caminho da dor para aprender a ser alguém (especialmente se optarmos a ser alguém de valores éticos, morais e cristãos). Porque é isso que realmente somos. Podemos passar uma vida inteira sentindo, falando, agindo e estando, mas só compreenderemos o real sentido das coisas quando somos. Quando somos realmente bons - independentemente da opinião alheia -, quando somos realmente aquilo que pregamos. Retomando o exemplo, podemos sentir a alegria de ver uma flor, podemos expressar essa alegria, podemos agir na sua vida, podemos estar sendo naquele momento um bom cuidador dela, mas será que conseguiremos ser por toda a vida assim? Se sim, nos tornarmos o ser, se não, ainda permaneceremos no estágio do estar. E só a consciência de cada um determinará se tal fato é bom ou ruim. Assim, ser é uma conquista única, que não nos é dado, não é ensinado, não é explicado e não acontece por milagre Divino. Ser exige dedicação, renuncia, atenção, disposição. Ser remete a nossa essência, nossos reais valores. E se há algo do qual não podemos fugir é do nosso ser... ele dorme e acorda com a gente todos os dias, ele se mostra quando menos esperamos, ele pode enganar a todos menos a nós mesmos, ele é transparente mesmo que nós tentarmos fugir... porque ele é sútil, ele não necessita de palcos e aplausos, ele se mostra nas pequeninas coisas e nos pequenos momentos.

A vida não se resume a isso e cada um de nós poderá ter uma visão completamente diferente de tais verbos e colocações, mas a minha vida segue nessa ordem: sentir, falar, agir, estar e ser. Se isso é certo ou errado não sei, mas no atual momento é isso que tem sentido para mim e é isso que significa VIVER. Acredito que levarei inúmeras encarnações para conquistar o ser de algumas coisas (e quanta dor ainda terei que suportar por conta disso), mas sei que algumas eu já alcancei após um longo período de duras batalhas interiores, de sofrimento, de quedas, de estar no fundo do poço. Hoje eu aceito o que eu sou, o bom e o ruim que há em mim, e sigo em paz tentando modificar o que eu ainda não consegui ser. E todos somos assim! Só há duas coisas nesta vida que tenho certeza absoluta: que enquanto vivos vamos morrer e que todos vamos ter que evoluir e chegar ao ser. E nessa evolução nos depararemos com verbos melhores e mais fáceis de lidar (abraçar, beijar, elogiar, acarinhar...) e com tantos outros menos felizes (machucar, odiar, decepcionar, mentir, enganar, trair, falsificar...), mas todos seguiremos para o verbo fundamental, essencial e mais perfeito: AMAR! Mas esse fica para um próximo texto :)

 

VIVIANE VASQUES
03/06/2012


15 de mai de 2012

A SOLIDÃO E O SERVIR

Há um ditado popular que diz: "O dia do favor, é véspera da ingratidão", e quando alguém recita este ditado é para lamentar a ingratidão daqueles que acabam de receber ajuda e bem cedo esquecem favores recebidos em nada se prestando a auxiliar outros nas suas necessidades. O Evangelho ressalta a parábola do mal servidor, que tendo recebido, de seu Senhor, o perdão de suas dívidas, ao sair encontra um devedor seu e de forma impiedosa cobra, daquele, o que lhe era devido, sofrendo depois de seu Senhor, o castigo pela sua impiedade e pela atitude desmedida, sem usar de igual misericórdia. Jesus ensinava: fazer aos outros o que queremos que nos façam e servir sem esperar retribuição ou reconhecimento pelo suposto bem que fazemos; e os exemplos deixados por ele foram nesse sentido. O que vimos é que, em que pese todo o servir, na hora crucial estava só. Primeiro reuniu os 12 apóstolos, mais tarde, os 72 da Judéia, os 500 da Galiléia, aí vieram multidões sem conta. Mas na hora "H" estava só. Para os teosofistas, esta solidão é necessária porque o Criador é único e, portanto, solitário. Ensinam que a comunhão com Deus se dá no nosso íntimo e na nossa solidão, pois que só o solitário pode comungar com outro solitário. Vamos que na "Instrução Para os Doze", Jesus recomenda que os discípulos andassem, vilarejos afora, pregando e curando, sem nada exigir, nem recompensas, nem reconhecimentos, e sem nada levar, nem mesmo reservas do vestuário e do alimento para o corpo. Não sendo recebidos, que sacudissem o pó das sandálias e partissem para novas tentativas - Lucas 9: 1 a 5. Ali prepara os discípulos para a solidão e ensina que seguí-lo era um ato de solidão. Mas, uma solidão que não deve ser interpretada como "isolamento": a porta da salvação é estreita - só cabe um, dizia Ele; abandona o teu pai e a tua mãe, divide o que tens com o teu semelhante, toma a tua cruz e segue-me. Seguir Jesus, entretanto, é escalar a montanha da iluminação, experimentando, de um lado, o silêncio e a solidão do caminho, mas do outro, atmosfera sublimada e a visão privilegiada das alturas. A regra áurea dessa iluminação é "servir", "indistintamente", e seguir, "obstinadamente", mesmo passando despercebido para aqueles a quem servimos, exatamente para que as pessoas não se sintam em débito, com a obrigação de nos retribuir, e a vaidade não nos faça sentir credores por saciar fomes, aliviar dores, ou libertar consciências. Até nas nossas rogativas, Jesus sugere a solidão, o silêncio e o segredo: Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechando a porta, orarás a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará - (Mateus 6: 6).

 
IRAN JACÓ MODESTO
(Jornal Informativo CEOS - Centro Espírita Obreiros do Senhor - /IAM - Institução Assistencial Meimei - Ano XXVI, Junho a Agosto de 2011, número 93).

3 de mai de 2012

VIDA É MORTE... E MORTE É VIDA!




Nos últimos tempos tenho pensado e vivido demasiadamente o assunto MORTE. São acontecimentos e mais acontecimentos, às vezes perto e às vezes longe, que resultam em morte: mudanças climáticas, acidentes diversos, problemas de saúde, drogas, suicídios e até "do nada"... sabe aquele "estava tudo bem e de repente morreu"? Pois é! E não tem idade, gênero, classe social ou raça. E isso é mais do que natural e nós precisamos nos adaptar a isso, afinal a única certeza de que temos é a de que um dia, mais cedo ou mais tarde, e seja lá de que forma for, nós vamos morrer! E todos vão morrer, sem exceções! É inevitável...

Para mim a morte é uma passagem; é uma volta para a nossa verdadeira morada, que é a espiritual. Eu acredito que estamos no plano material por um breve espaço de tempo, se acreditarmos que nossos espíritos são eternos. Eu acredito, também, que estamos aqui neste planeta - que, diga-se de passagem, esta se modificando e se renovando - não para satisfazer nossos desejos materiais, mas para resgatar débitos passados e através das experiências carnais evoluir, principalmente moralmente. Eu acredito que tudo isso aqui que vivemos hoje vão ser memórias e momentos guardados no nosso arquivo pessoal. Eu acredito, inclusive, que esse corpo material é meu temporariamente, que ele foi elaborado exclusivamente para vivenciar as provas de que terei que passar por um período de tempo e que meu verdadeiro e real corpo é o meu espírito.
 
 
Partindo disso que eu digo que vida é morte e morte é vida! Vida é morte porque se acreditamos que há algo além da matéria, inevitavelmente saberemos que um dia voltaremos para a nossa realidade e tudo que aqui temos irá ficar. Vida é morte porque essa é a única certeza que temos clara em nossas vidas: esse corpo vai, um dia, acabar. Morte é vida porque voltamos de onde viemos, porque nos encontraremos com aqueles que temos laços de afinidade e amor. Morte é vida porque liberta o espirito das amarras materiais, que tanto o sufoca, mas que é necessário para evoluir. E assim, seguimos nossa jornada vivendo e morrendo, um entrelaçado no outro, um seguido do outro... levando conosco somente o nosso ser e não mais o nosso ter. E ainda nos assustamos com o tema MORTE!
 
 
Eu, particularmente, não tenho medo de morrer! Nenhum! Não gostaria de morrer queimada ou afogada, mas eu aguento se estiver na minha programação. Não tenho medo de ter uma doença grave e morrer assim. Não tenho medo de acidentes e nem desastres naturais. Não tenho medo das pessoas que vou deixar e menos ainda dos meus bens materiais. Assim, temos medos diferentes e talvez os meus sejam bobagem para alguns de vocês. É que eu acredito, somado ao que eu escrevi acima, que não importa a forma que eu morrer e nem o momento que isso acontecer, mas importa o que eu estou levando no meu espírito quando isso acontecer, afinal é ele minha essência e é nele que está tudo gravado de bom e ruim. A separação do corpo e do espirito, a para onde o meu espirito vai depois que isso acontecer, vai depender único e exclusivamente da vida terrena que eu tive (vida é morte... e morte é vida).
 
 
Meus medos são outros quando falo de morte... quando penso morte... quando vivencio morte... quando estudo morte. Meu medo é a consciência - triplicada - do que eu fiz com a minha vida terrena e com todas as oportunidades de evolução no momento que eu morrer. Isso realmente me dá muito medo! Enquanto estamos na carne temos uma visão de mundo, mas quando chegamos do outro lado temos a real consciência do que fizemos e, pior, do tanto que deixamos de fazer. E aí bate a culpa e o arrependimento, monstros esses que por mais que sejamos fortes são capazes de nos dilacerar.

Assim, eu tenho medo de ter julgado demais meu semelhante, de levantar falsas verdades sobre eles, ao invés de buscar compreende-lo e ajudá-lo a trilhar os seus caminhos. Tenho medo de ter gasto tempo com as pessoas erradas, com momentos errados, com causas erradas. Tenho medo de perder as oportunidades de ser feliz e fazer alguém feliz por orgulho e egoísmo. Tenho medo de não ter cuidado do meu corpo da forma como eu devo cuidar. Tenho medo dos ditos inimigos que eu criei por não saber ser humilde e tolerante com meu próximo. Tenho medo de não ter dito eu te amo, quando eu sentia isso, ter não dito eu te quero, quando eu sentia isso, de não ter dito eu te perdoo e não ter dito tantas outras coisas que vão no meu coração por medo de ser rejeitada ou considerada ridícula. Tenho medo de não ter vivido um amor, uma amizade, uma relação profissional por simples medo do futuro e da falta de confiança em mim e em Deus. Tenho medo de não poder mais abraçar fisicamente aqueles que eu gosto. Tenho medo de não ter aproveitado cada oportunidade de praticar a caridade moral e espiritual. Medo de me arrepender por coisas que fiz – muitas sem consciência de que estava errando - e pelas que eu não fiz, e sentir uma enorme culpa por não ter percebido o que, e quem, era realmente importante. Parece bobagem, mas para mim é algo muito sério... porque eu sei das minhas limitações, sei das minhas imperfeições e sei que algumas coisas eu ainda não consigo modificar em mim.
 
 
Se eu acredito na lei da reencarnação e na pluralidade das existências, consequentemente acredito que retornarei ao plano terreno. E se eu acredito nisso, sei que novas chances serão dadas, novas oportunidades de consertar todos os erros serão proporcionadas, a convivência com as pessoas que ferimos acontecerá novamente e tudo que eu possa ter me arrependido e sentido culpa, eu terei a chance de consertar. Mas, para que deixar para amanhã o que podemos fazer hoje? Para que acumular mais dividas se temos inteligência e bom senso para somente quitá-las? Talvez demore milênios para conseguirmos olhar novamente para os olhos de outro alguém e dizer eu te amo, eu te respeito, você é importante para mim! Talvez demoremos milênios para ter a chance de demonstrar tudo isso.
 
 
Termino este desabafo – porque isto é mais pessoal do que um texto comum - com uma citação de José Raul Teixeira, do livro Educação e Vivências: "[...] a vida atual de cada indivíduo tem o poder de atenuar ou de agravar as condições gerais ou específicas da desencarnação, serão de bom alvitre os cuidados que se deve ter para com a presente existência somática, procurando cada um respeitar a vida, respeitando-se, na certeza de que a morte é a chave que abre as portas da Vida, devendo os encarnados realizar, enquanto na Terra, tudo o que lhes seja possível para que desapareçam os laços de excessiva amargura ou de rebeldia ante os Supremos Desígnios advindos do grande Autor do Universo!".

E lhe pergunto: e sua bagagem de volta para casa, como está?


VIVIANE VASQUES
03/05/2012

15 de abr de 2012

CONECTE-SE A DEUS

Diante das tristezas e infelicidades da vida, que nos fazem esquecer o quanto somos privilegiados... conecte-se a Deus!
Diante das tragédias mundiais e pessoais, que nos assombram... conecte-se a Deus!
Diante dos conflitos internos, que nos fazem perder o rumo e a vontade de vencer... conecte-se a Deus!
Diante das dúvidas sem respostas aparentes, que nos tornam cada vez mais temerosos e ansiosos... conecte-se a Deus!
Diante das grandes perdas, que nos desestruturam e abrem espaço para que nossa fé seja abalada... conecte-se a Deus!
Diante da morte, que nos faz perceber o quanto a nossa vida é frágil... conecte-se a Deus!
Diante de uma traição, que faz com que nos sintamos frustrados e humilhados... conecte-se a Deus!
Diante da destruição de uma ilusão, que foi criada por medo de assumir ou enxergar uma verdade... conecte-se a Deus!
Diante do medo da mudança, do medo do desconhecido, do medo do futuro, que rebaixa a nossa fé e acaba com a nossa esperança... conecte-se a Deus!
Diante da aparente injustiça, que nos leva a enxergar humanos cruéis e sem pudor.... conecte-se a Deus!
Diante da revolta, que nos torna raivosos e que nos fazem cair em falsos julgamentos... conecte-se a Deus!
Diante da culpa, que nos atormenta e nos impede de prosseguir tentando... conecte-se a Deus!
Diante da dor, que é o trampolim para grandes transformações e mudanças... conecte-se a Deus!
Diante de si mesmo, ao deparar com suas falhas, defeitos e erros... conecte-se a Deus!
Diante de situações limites, nas quais não se consegue enxergar o caminho a trilhar... conecte-se a Deus!
Diante da solidão, que faz com que nos sintamos sozinhos em meio a uma multidão... conecte-se a Deus!

Qualquer que seja a situação, feliz ou triste, conecte-se a Deus através da oração. A oração é o canal de ligação com o Mais Alto, seja ela dita em algumas palavras ou em horas, basta que seja feita com o coração. Ela deve ser a nossa fuga, pois ELE é a resposta de tudo e para tudo! Somente ELE acalma nossas tristezas e infelicidades; somente Ele nos dá a força necessária para compreender nossos conflitos internos, nossa revolta, nossa angustia, nossos medos; somente ELE que nos consola diante de uma perda, de uma traição, de uma magoa, de uma dor; somente ELE tem o poder necessário de julgamento e, mesmo assim, não o faz porque coloca a vida como lei de ação e reação; somente ELE nos traz luz quando a culpa, o remorso e o arrependimento toma a nossa mente. Deus é começo, meio e fim de tudo; ELE é bondade, generosidade, justiça, compaixão... ELE É AMOR!

Diante de coisas boas ou não tão boas assim, conecte-se a ELE, conte seus problemas, chore, grite, questione, agradeça, implore, abra seu coração.. Não se preocupe com as palavras que irá utilizar, não se preocupe se está sendo frágil, não se preocupe se seus olhos ficarão inchados, não se preocupe se ele irá contar para os outros o que vai mais intimo no seu ser... pois ele não julga, não se importa com aparências, não quer máscaras, não fofoca, não subestima e nem denigre a imagem de ninguém... ELE simplesmente compreende o nosso nível evolutivo! ELE quer que seus filhos sejam felizes, que se amem e amem seu próximo, que possam conviver consigo e com o mundo de forma harmônica e pacifica, que possa ter Teus ensinamentos como base de vida, que possa aprender a compreender mais os semelhantes, que possa olhar mais os seus próprios defeitos antes de apontar o dos outros.

Se queremos alguém em quem confiar, confiemos em Deus. Se queremos alguém em quem se apoiar, apoiemo-nos em Deus. Se queremos alguém que nos proteja, coloquemo-nos nas mãos de Deus! Se queremos algém que nos oriente, ouçamos a Deus! Temos sim almas boas encarnadas que são partes de Deus e que podem fazer seu "trabalho"... temos sim, ainda, pessoas que nos auxiliam, que não nos julgam, que podemos confiar e nos apoiar... Mas, Deus é nosso eterno e inseparável amigo, irmão... ELE é pai! E como tal não se importa com nada, apenas quer nos ajudar e colaborar no conhecimento do próprio ser, no conhecimento e melhoramento do mundo, no nosso crescimento e evolução. Portanto, não importa o dia, a hora, o local, o motivo... conecte-se a Deus!

VIVIANE VASQUES
15/04/2012

31 de mar de 2012

SER TRANSPARENTE



Ás vezes, fico me perguntando por que é tão difícil ser transparente. Costumamos acreditar que "Ser Transparente" é simplesmente ser sincero, não enganar os outros. Mas, “Ser Transparente” é muito mais do que isso... É ter coragem de se expor, de ser frágil, de chorar, de falar do que a gente sente... É desnudar a alma, é deixar cair as máscaras, baixar as armas. É destruir os imensos e grossos muros que insistimos tanto em nos empenhar para levantar... É permitir que toda a nossa doçura aflore, desabroche, transborde...

Mas, infelizmente, quase sempre, a maioria de nós decide não correr esse risco.  Preferimos a dureza da razão à leveza que exporia toda a nossa fragilidade humana.... Preferimos o “nó na garganta” às lágrimas que brotam do mais profundo de nosso ser... Preferimos nos perder numa busca insana por respostas imediatas a simplesmente nos entregar diante de Deus e admitir que não sabemos, que temos medo! Por mais doloroso que seja ter de construir uma máscara que nos distancia cada vez mais de quem realmente somos e até do nosso Deus... preferimos assim: manter uma imagem que nos dê a sensação de proteção...

E assim vamos nos afogando mais e mais em falsas palavras, em falsas atitudes, em falsos sentimentos... Não porque sejamos pessoas mentirosas!... Mas porque, como folhas secas, nos perdemos de nós mesmos e já não sabemos onde está nossa brandura, nosso amor mais intenso e não-contaminado...

Com o passar dos anos, um vazio frio e escuro nos faz perceber que já não sabemos dar e nem pedir o que de mais precioso temos a compartilhar com os irmãos... doçura, compaixão... compreensão... De que todos nós sofremos e às vezes nos sentimos sós, imensamente tristes e choramos baixinho antes de dormir... Num silêncio que nos remete à saudade de nós mesmos... daquilo que pulsa e grita dentro de nós, mas que não temos coragem de mostrar àqueles que mais amamos!

Porque, infelizmente, aprendemos que é melhor revidar, descontar, agredir, acusar, criticar e julgar do que simplesmente dizer: você está me machucando... Pode parar, por favor?! Porque aprendemos que dizer isso é ser fraco, é ser bobo, é ser menos do que o outro...  Quando, na verdade, se agíssemos deixando que a nossa razão ouvisse também o nosso coração, poderíamos evitar tanta dor... Tanta dor!...

Que consigamos não prender o choro, não conter a gargalhada, não esconder tanto o nosso medo, não desejar parecer tão invencíveis... Que consigamos tentar não controlar tanto, responder tanto, competir tanto... Mas confiar na Graça do Senhor Jesus Cristo, que nos basta...

A inteligência sem amor nos faz perversos...
A justiça sem amor nos faz implacáveis...
A diplomacia sem amor nos faz hipócritas...
O êxito sem amor nos faz arrogantes...
A riqueza sem amor nos faz avaro...
A pobreza sem amor nos faz orgulhosos...
A beleza sem amor nos faz fúteis...
A autoridade sem amor nos faz tiranos...
O trabalho sem amor nos faz escravos...
A simplicidade sem amor nos deprecia...
A lei sem amor nos oprime...
A política sem amor nos deixa egoístas...
A fé sem amor nos deixa fanáticos...
A cruz sem amor se converte em tortura...

Ame, simplesmente ame! A vida sem amor não tem qualquer sentido!

E quando, algumas vezes, não encontramos as palavras adequadas para expressar o que sentimos; seja por timidez ou porque os sentimentos nos avassalam; nesses casos podemos contar com o idioma dos  abraços... único e universal.

Lembrando que a vida é tão curta e a tarefa de vive-la é tão difícil que quando começamos a aprende-la, já é hora de partir... Sigamos  na certeza de que TUDO PASSA... …Vai passar e você deverá seguir em frente, sem olhar para trás, rumo à eternidade, sempre transparente, porque tudo passa, mas você é eterno... Que consigamos docemente viver...  Sentir... Amar... Ser Transparentes!

AUTOR DESCONHECIDO

"Ser transparente é algo longe do que somos hoje. Isso exige uma evolução do ser maior do que podemos compreender, pois ao sermos transparentes nos expomos mais do que se optamos viver atrás de máscaras desempenhando papéis. Aos sermos transparentes, também acabamos ficando mais vuneráveis aos machucados e decepções da vida... e ninguém está preparado para isso. Mas, nem por isso devemos nos fechar e mudar o rumo disso. O primeiro passo sempre deve ser dado... a caminhada é longa, dura, com muitos obstáculos, mas é necessária para a evolução de todos. Chorar, dizer que sente saudade, confessar os sentimentos, assumir os medos, pedir consideração e valorização... enfim, nada disso é feio ou denigre e diminue o ser. Muito pelo contrário! Isso demonstra o quanto o ser pode - e deve - se expressar sem medo de ser ridiculo, pois o ridiculo reside naquilo que você demonstra ser e não no que realmente você é! Defeitos todos temos... se não tivessemos não estariamos neste planeta, mas em outro muito mais evoluido. Só que acima dos defeitos, encontra-se a vontade de modificá-los, a luta interna por conhecer-se e ser alguém melhor, o esforço em ser honesto e sincero consigo e com o mundo, a vontade de seguir enfrentando os problemas, obstáculos e dificuldades... sendo transparente primeiramente para si, aceitando-se como é e buscando caminhos para modificar aquilo que não considera bom para si, e depois sendo transparente para o mundo, pronto para compreender aqueles que são e pensam diferente de si, mas sendo nós mesmos, na nossa essência, na nossa dor, nos nossos conflitos, nas nossas derrotas, assim como nossas vitórias e alegrias... sendo sempre NÓS MESMOS, porque somos únicos, especiais, insubstituíveis aos olhos de Deus".

VIVIANE VASQUES

14 de mar de 2012

TALVEZ


Talvez eu venha a envelhecer rápido demais. Mas lutarei para que cada dia tenha valido a pena...
Talvez eu sofra inúmeras desilusões no decorrer de minha vida. Mas farei com que elas percam a importância diante dos gestos de amor que encontrei...
Talvez eu não tenha forças para realizar todos os meus ideais. Mas jamais irei me considerar um derrotado...
Talvez, em algum instante, eu sofra uma terrível queda. Mas não ficarei por muito tempo olhando para o chão...
Talvez, um dia, o sol deixe de brilhar. Mas então irei me banhar na chuva...
Talvez um dia eu sofra alguma injustiça. Mas jamais irei assumir o papel de vítima...
Talvez eu tenha que enfrentar alguns inimigos. Mas terei humildade para aceitar as mãos que se estenderão em minha direção...
Talvez, numa dessas noites frias, eu derrame muitas lágrimas. Mas não terei vergonha por esse gesto...
Talvez eu seja enganado inúmeras vezes. Mas não deixarei de acreditar que, em algum lugar, alguém merece a  minha confiança...
Talvez, com o tempo, eu perceba que cometi grandes erros. Mas não desistirei de continuar trilhando meu caminho...
Talvez, com o decorrer dos anos, eu perca grandes amizades. Mas irei aprender que aqueles que realmente são meus verdadeiros amigos nunca estarão perdidos...
Talvez algumas pessoas queiram o meu mal. Mas irei continuar plantando a semente da fraternidade por onde passar...
Talvez eu fique triste ao concluir que não consigo seguir o ritmo de uma música. Mas então, farei com que a música siga o compasso dos meus passos...
Talvez eu nunca consiga enxergar um arco-íris. Mas aprenderei a desenhar um, nem que seja dentro do meu coração...
Talvez, hoje, eu me sinta fraco. Mas, amanhã, irei recomeçar, nem que seja de uma maneira diferente...
Talvez eu não aprenda todas as lições necessárias. Mas terei a consciência de que os verdadeiros ensinamentos já estão gravados em minha alma...
Talvez eu me deprima por não ser capaz de saber a letra daquela música. Mas ficarei feliz com as outras capacidades que possuo...
Talvez a vontade de abandonar tudo torne-se a minha companheira. Mas, ao invés de fugir, irei correr atrás do que almejo...
Talvez eu não tenha motivo para grandes comemorações. Mas não deixarei de me alegrar com as pequenas conquistas...
Talvez eu não seja exatamente quem gostaria de ser. Mas passarei a admirar quem sou...
Porque, no final, saberei que, mesmo com incontáveis dúvidas, eu sou capaz de construir uma vida melhor. E se ainda não me convenci disso, é porque, como diz aquele ditado: “AINDA NÃO CHEGUEI AO FIM”. No final, não haverá nenhum “talvez” e sim a certeza de que a minha vida valeu a pena e eu fiz o melhor que podia.

Aristóteles Onassis




"Todos os dias temos a oportunidade de escolher o que - e quem - queremos em nossas vidas. Temos a oportunidade de escolher se queremos ser felizes ou tristes, se queremos chorar ou rir, se queremos nos levantar ou permanecer caidos. Escolhemos o que queremos ser, quem seremos ser e o que buscamos. Nossas vidas está em nossas próprias mãos e nas mãos de Deus, e não nas mãos do outro. Podemos, ainda, escolher se queremos passar por essa vida somente reclamando das situações difíceis, do que não temos, do que não conseguimos, das vezes que nos machucamos, das oportunidades perdidas... ou se queremos passar por essa vida caindo e levantando, perdoando, compreendendo, seguindo o fluxo da vida. Tudo depende de nós mesmos, da nossa força, da nossa coragem, da nossa determinação, do nosso comprometimento. Quedas sempre acontecerão, lágrimas sempre cairão, perdas sempre virão, mas o que faremos com isso? Desistiremos ou encararemos de frente vivendo intensamente cada minuto da nossa vida? Ficaremos parados esperando um milagre acontecer ou enfrentaremos tudo e todos em busca do que realmente acreditamos ser importante? A nossa primeira perda na vida é o medo de arriscar a ser feliz, pois já determinamos que não dará certo. Tudo vale a pena quando se faz com a intenção do acerto, com a possibilidade de enxergar um arco-íris, com a oportunidade de sentir e viver verdadeiramente. E você, continua parado na dúvida e no talvez ou optou por arriscar-se e buscar o que realmente deseja para si e para a sua vida? Caiu? Levante-se! Errou? Corrija-se! Machucou-se? Cure-se! Foi traido? Perdoe! E, acima de tudo, AME! Sempre há tempo! E tudo dará certo... se ainda não deu, é porque não chegou ao fim!"


20 de fev de 2012

A FRAGILIDADE DA VIDA MATERIAL


Sabemos que temos duas vidas: a material e a espiritual. A material é o estado em que nos encontramos atualmente e grande parte das coisas que vivenciamos. A espiritual é a vida mais sutil e, como o próprio nome diz, está relacionado ao espírito, a alma, a um corpo mais sutil do que possuímos no momento. Então, somos seres espirituais vivendo experiências materiais ou seres materiais vivendo experiências espirituais? Qual é a nossa verdadeira e real vida? A que estamos hoje ou a que já estivemos um dia e retornaremos a ela? Pois bem, somos seres espirituais vivendo, temporariamente, experiências materiais que contribuirão na nossa evolução e, consequentemente, a vida espiritual é nossa verdadeira e real vida, a que um dia iremos estar de volta.

Mas, infelizmente, grande parte das pessoas esquece esse pequeno detalhe. Esquece que tudo que é material é passageiro e um dia, mais cedo ou mais tarde, ficaremos sem. Vivemos apegados a essa matéria grotesca; apegados ao dinheiro; apegados à beleza física; apegados aos imóveis e automóveis; apegados ao emprego e aos cursos; apegados a pessoas e fatos; enfim, nos apegamos a tudo que é material e desprezamos a tudo que é espiritual. E é justamente essa palavra que acredito ser adequada: APEGO! Alguns confundem com amor, outros com materiais essenciais à vida humana, outros como indispensável para se alcançar a felicidade, como se esta fosse algo construído por fora. E vamos, com isso, construindo impérios de matéria, juntamente com a que carregamos todos os dias, que é o nosso corpo.

E onde isso nos levará? Tenho constatado que cada vez mais a resposta para isso é à frustração e ao sofrimento. Justamente porque tudo foi construído fora e suscetível a acabar. Justamente porque muitas vezes está fora do nosso controle saber quando e como isso tudo terá um fim ou se modificará. E ai sofremos, porque não estávamos preparados para nos desapegar de todos estes bens; não estávamos prontos para abrir mão de tudo que relacionei acima. E nos frustramos e sofremos, porque nosso externo se foi e nosso interno não foi preparado para isso, não recebeu a devida atenção e cuidado.

Quando digo matéria, digo tudo que é inanimado e ao nosso corpo. Grandes fortunas são construídas, e podem se acabar num piscar de olhos. Podemos nos tornar grandes profissionais, mas num incidente podemos perder tudo. Podemos ter casas espetaculares, que podem cair. Podemos ter corpos lindos e esculturais, que uma doença pode definhar ou uma morte pode levar. E aí, permanecerá o que construímos internamente e o que cultivamos em nosso coração e em nossa alma. Estes sim são tesouros que nada e nem ninguém destruirá, porque somos donos deles e somente nós temos permissão para modificar isso. A vida material é mais frágil do que pensamos e do que esperamos, bem diferente da espiritual, da essência de todo ser humano.

Negativismo? Pessimismo? De forma alguma, apenas realismo. Assim é a vida: estamos na carne para evoluir através de nossas provas e expiações para um dia, sabe-se lá quando e como, voltar de volta para nossa verdadeira morada. Deus permite todos os dias vivenciarmos experiências materiais para ver como anda esse processo de evolução e renovação do nosso ser, pois se vivêssemos longe da vida material não teríamos o merecimento da conquista do próprio ser e não teríamos condições de "quitar nossas dívidas" com aqueles que um dia erramos. Não é punição Divina retirar todos os nossos bens materiais, mas é permitir que corrijamos tudo aquilo que um dia destruímos ou prejudicamos.

Pensando assim, precisamos sim viver e obter coisas materiais, mas não priorizar isso e torna-las o centro de nossas vidas. Precisamos sim de uma casa, de um carro, de um corpo saudável, de um namorado, de um emprego... como forma de sobrevivência material e de necessidades materiais, não como meios de ser feliz. Precisamos sim de experiências materiais, pois muitas das coisas que vivemos na carne, só podem ser sentidas e vividas na própria carne. Mas, não tornar tal vida como única, como exclusiva, como eterna. E quando tudo isso se for, como ficará?

Por isso, novamente retomo o que tenho escrito em vários textos: valorizemos o hoje, o momento de agora, deixando de lado todas as mágoas do passado e toda ansiedade do futuro. Vivamos o momento de agora como se fosse o último. Ele não voltará mais e talvez a oportunidade que estamos tendo nesse exato momento não retorne mais. Agradeçamos mais a Deus por todas as bênçãos em nossa vida, inclusive as dores e os obstáculos que temos enfrentado, pois temos exatamente aquilo que precisamos. Amemos mais, muito mais, a nós mesmos para poder amar mais, e muito mais, o nosso próximo e a Deus. Confiemos mais em nós mesmos e nos nossos potenciais, sem nos abater com as criticas maldosas. Perdoemos rapidamente, pois o ódio e o rancor corroem a alma e causam chagas brutais. Pratiquemos mais a caridade, moral e material, pois ninguém é tão inferior e tão pobre que não possa doar nada ao seu irmão. Escutemos mais os sentimentos e vivamos eles intensamente, sem medo de errar ou se machucar. Deixemos aquele curso, aquela festa, aquele compromisso material considerado tão importante para estar na companhia de quem nos quer bem. Valorizemos mais as pessoas que estão ao nosso redor, inclusive aquelas que não nos são tão afim, e acima de tudo a nossa família. Cuidemos mais do nosso corpo, pois precisamos dele para estar na terra. Voltemos o pensamento ao Alto agradecendo todas as oportunidades de servir, assim como todo bem que nos foi concedido e todo mal que nos foi poupado. Reclamemos menos do que não temos e não abençoamos mais o que temos. Enfim, que possamos viver o dia de hoje material como se ele fosse terminar no segundo seguinte, cultivando bens que vão diretamente para a alma.

Dessa forma, que possamos refletir mais sobre a vida espiritual, que esta associada à vida moral. Que possamos construir castelos internamente, para que nenhuma força externa nos derrube. Que possamos encher nosso peito de fé, e enfrentar todas as perdas materiais com resignação. Que possamos aceitar e vivenciar a lei de causa e efeito. Que possamos ser nós mesmos, com nossos erros e acertos, qualidades e defeitos, mas sinceros e honestos conosco e com o mundo. Uma vida plena é uma vida cheio de amor, com paz no coração e com a consciência tranquila de que tudo de bom e de acordo com os ensinamentos cristãos que poderia ser realizado, foi! E que ainda que todos os bens materiais tenham ido, que os espirituais permaneçam em nossa vida sempre!

VIVIANE VASQUES
18/02/2012

9 de jan de 2012

O VALOR DO HOJE

O dia de hoje é único, especial, essencial e devemos fazer tudo, com responsabilidade e consciência, que formos capazes. A vida muda a cada instante e nem todas estas mudanças estão sob o nosso controle, nem todas estão sendo aguardadas ou foram programadas no plano terreno. Assim, não sabemos se o próximo instante chegará e, se ele chegar, como estaremos para vivê-lo. Quantas vezes deixamos as oportunidades passarem e depois nos arrependemos de não termos vivido elas. Pensando nisso...

...ria mais, principalmente de si mesmo.
...perdoe rapidamente, pois a mágoa leva à raiva que leva ao ressentimento que leva ao ódio que leva ao câncer, comprovado cientificamente.
...aceite com resignação aquilo que não puder mudar e seja honesto na luta por aquilo que você pode mudar.
...nunca perca a fé, pois sem ela somos ocos.
...abrace a todos aqueles que estão ao seu redor, pois não há nada mais reconfortante que um abraço sincero e amigo.
...tenha humildade para admitir seus erros e suas fraquezas, assim como força para enfrentá-los e modifica-los.
...olhe mais para dentro de si ao invés de olhar o seu vizinho.
...seja menos duro com a vida que ela será menos dura com você.
...critique menos e compreenda mais.
...atente-se para o que você esta semeando porque, mais dias menos dias, será isso que você irá colher.
...expresse seus sentimentos e pensamentos com honestidade, sem invadir o espaço do outro ou agredi-lo.
...compreenda que todos somos diferentes e, ao invés de passar toda uma vida tentando modificar estas diferenças, cresça com elas.
...se não tiver uma palavra amiga e reconfortante, simplesmente cale-se.
...seja mais caridoso com seu próximo, pois somos filhos do mesmo Pai.
...acredite mais nas pessoas, senão você viverá no vazio.
...não perca a esperança, pois ela é um dos fios condutores da nossa vida.
...aprenda a viver sozinho sem considerar a solidão um obstáculo, pois você é sua melhor companhia.
...ninguém pode dar aquilo que não tem, não conhece e não aprendeu a cultivar.
...cada pessoa tem seu ritmo, seu tempo e sua forma de evoluir, portanto, tenha paciência e verá que todos chegaremos lá um dia.
...pratique mais o autoperdão e o autoamor, pois tudo parte de dentro de si mesmo.
...valorize mais a vida, as pessoas com as quais convive e as oportunidades.
...pratique a terapia do elogio, que não custa nada e só leva felicidade ao seu coração e ao seu companheiro.
...deduza menos e sirva mais.
...cuide do seu corpo como um bem precioso, mas temporário, que Deus lhe deu.
...preocupa-se mais com as coisas que está guardando no seu coração e no seu espírito do que com as no seu bolso.
...aceite que nem todos os dias ganhamos, mas, são nesses dias que temos as experiências mais valiosas.
...não temos tudo que queremos, mas tudo que necessitamos.
...somos seres espirituais vivendo no plano material, e não o contrário.
...acredite mais nos seus sonhos, mas não permita que eles passem por toda vida somente na sua imaginação.
...utilize a empatia com seu próximo e economizará um bom tempo questionando-se se esta no caminho certo.
...quando não tiver muito para oferecer ao seu próximo, ofereça um pouco do seu sorriso, do seu ouvido, do seu colo.
...dê um colorido todo especial ao seu dia, mesmo que seja um dia de dificuldades intensas.
...todos erramos, admitir isso para si permite uma convivência mais pacífica
...guarde em seu coração só aquilo que for bom, o resto você simplesmente descarta.
...quando não tiver ninguém para conversar, experimente conversar com Deus, além Dele nunca te criticar ou censurar, Ele sempre te compreenderá e te aconselhará.
...compreenda e aplique os ensinamentos de Cristo que você nunca se desviará do caminho do bem e da verdade.
...e quando estiveres a pontos de descrer do poder amor do amor, lembra-te do Cristo.

Não existem fórmulas, receitas e nem nada mágico para passar por esta vida de forma mais serena. Cada ser é único, vive a sua vida de forma única e a enxerga de acordo com a sua capacidade e visão, fazendo escolhas e vivendo as oportunidades do seu modo. Mas, uma coisa é certa: o passado já passou e o futuro talvez nunca seja, então, o melhor momento de se fazer algo é o hoje! Busquemos reconhecer e reparar os erros do passado sem amarguras e culpas, de forma tranquila; busquemos planejar nosso futuro, criar metas e objetivos, sem frustação ou descrédito caso tudo não saia do nosso jeito, pois nem sempre nossos planos são os planos de Deus. O hoje é o dia certo para nos assumirmos perante a vida, de buscarmos conhecer mais o eu que há dentro de nós, de seguir nossa consciência, de refletir sobre tudo, de ser responsável o suficiente para dizer "eu posso, eu quero, eu consigo!"

Valorizar o dia de hoje é valorizar a vida, a si, aos outros, a Deus e todas as oportunidades de vivências e experiências. Estas são, sem dúvida nenhuma, as necessárias para a nossa evolução. Compreendamos que tudo acontece exatamente quando tem que acontecer, nem um minuto antes e nem um minuto depois, e exatamente como tem que acontecer, nem um determinado lugar ou tempo nem em outro. Nenhuma dor, nenhuma perca, nenhuma tristeza, nenhuma chegada, nenhuma saída, nenhum obstáculo... absolutamente NADA está fora da programação Divina. Basta que saibamos enxergar e valorizar as oportunidades que nos foi dada no dia de hoje e tirar o máximo de aproveito delas.

Pensando nisso, se ainda não demos um abraço afetuoso em nosso irmão, façamos agora, pois amanha talvez não possamos mais; se ainda não dissemos para aquela pessoa tão especial que a amamos e que ela é importante na nossa vida, façamos agora, pois amanha talvez não tenhamos mais esta oportunidade; ainda não comemos aquele bolo delicioso de chocolate porque não queremos sair do regime, comamos agora, pois talvez no dia de amanha essa oportunidade tenha nos escapado; ainda não nos reconciliamos com aquele irmão que nos feriu há 20 anos atrás, então que nos reconciliemos agora, pois talvez amanha será tarde demais. Não há o momento certo ou errado, há o momento de hoje, o agora! O mais belo, o mais esplendoroso, o mais maravilhoso, o mais importante de todos. Quando chegar o dia de amanhã, viveremos ele com a mesma intensidade que vivemos o de hoje e perceberemos que assim, um dia de cada vez e cada qual com suas experiências e oportunidades, a vida ficará mais bela e as dores ficarão mais amenas.


VIVIANE VASQUES
08-01-2012


2 de jan de 2012

SEMENTINHAS DE AMOR

“O amor é de essência divina e todos vós, do primeiro ao último, tendes, no fundo do coração, a centelha desse fogo sagrado”. (E.S.E, Capítulo XI, item 9)



Ao nos criar, Deus, fez questão de colocar sementinhas muito preciosas em um lugar de difícil acesso. Guardou-as de forma que elas se mantivessem sempre seguras e pudessem, a contento, florescer aos olhos dos homens terrenos. Esperou que pudéssemos cuidar bem delas e que pudéssemos dar a elas toda a atenção para que pudessem crescer fortes e saudáveis. Essas sementinhas, presente no coração de todos os seres humanos, chama-se amor.

E como Deus é bom, não colocou somente uma, pois correríamos o risco de querer ela somente para nós mesmos ou que, por não cuidar com todo esmero, acabássemos matando-a. ELE colocou várias, para essas pudessem germinar em nosso próprio ser e para que pudéssemos espalhá-las por onde quer que passássemos, deixando para cada um do nosso semelhante parte da Criação Divina e parte de nós.

E assim, com essas sementinhas plantadas em nosso coração, seguimos a nossa jornada terrena. Sabemos que elas existem, só não aprendemos ainda a como cultivá-las, a como colhe-las. Deus, a todo momento, tenta nos ensinar através do Evangelho: uma dose de compreensão, duas de fé, umas três ou quatro de perdão, bastante caridade e indulgência, paciência também será necessário, bondade e solidariedade darão um toque todo especial. Deus apresentou estes ensinamentos, inclusive, como os antídotos contras as possíveis pragas que pudessem abater essa linda plantação: o ódio, o rancor, a raiva, o preconceito, a inveja, o ciúmes, a maledicência, a fofoca, a ira, a cólera, a falsidade, a tristeza, o pessimismo, o materialismo.

Sementes plantadas e receita para cultivá-las pronta! Mas, não conseguimos, ainda, fazer florescer essas lindas sementinhas. Ahhh, como é difícil ver brotar um pequeno galho. As flores, então, parecem que nunca existirão de tão pequeninas que se mostram. E cadê o seu belo cheiro espraiando pelo ar ??? Ui, apareceu aqui um espinho, mas porque será que ele existe no meio de tanta beleza? É... não é nada fácil seguir essa jornada terrena sem deixar as pragas abaterem essa plantação... Também não será nada fácil compreender os espinhos em meio a ela...

Mas, Deus, como Pai bondoso que é com seus filhos, mesmo sabendo de que ainda não somos capazes de cuidar bem destas sementinhas, não desiste nunca e não desanima. Todas as vezes que ele percebe que essa plantação está se arruinando ele envia um anjo para levantá-la e dar novo vigor. Todas as vezes que ele percebe que os espinhos começam a ferir as nossas mãos demasiadamente, ele nos envia outro anjo para ajudar-nos a secar nossas feridas e arrancar os espinhos que nos ferem. Assim como quando ele percebe que essas sementinhas, às vezes já até um pouco crescidas, estão murchando, ele envia um novo anjo para que ela volte a viver intensamente. E assim Deus vai cuidando do que ele podia dar de melhor a nos seres humanos.

E os anjos vão chegando, vão se aglomerando, vão pedindo licença daqui e dali, vão se unindo. E os anjos, terrenos e espirituais, não temem as chagas que assolam essa humilde plantação. Eles lutam bravamente, juntos, cada um com seus poderes, para levantá-la e faze-la seguir em frente, bravamente. Eles não desistem, desde que nós não desistamos. Eles não vão embora, desde que nós demonstremos a vontade de fazer essa plantação crescer, vigorar e dar belos frutos.

Mais do que isso, estes anjos, ao nos ajudarem cultivam também em vossos corações as sementinhas que lhes couberam cuidar. E assim, de sementinha em sementinha, de plantação em plantação, de colheita em colheita, somos capazes de disseminar o amor. Somos capazes de disseminar o amor de Deus, o nosso amor próprio e o amor que dermos aos baldes para os nossos semelhantes.

Observe a quanto anda as sementinhas de amor que Deus plantou em vosso coração. Veja se está cuidando bem delas, se tem dado a devida atenção, se tem conversado com elas, se tem tido paciência, se realmente acredita que elas possam crescer e formar um lindo jardim, se tem afastado as pragas que podem derrubá-la, se tem valorizado essa benção Divina. Acredite, as sementinhas do amor, apesar de trazerem consigo espinhos, alguns até dolorosos e cruéis, são o que de mais belo temos em nossa essência e o que de mais sincero podemos dar aos nossos semelhantes.

Vamos começar, então, a cuidar melhor dessas sementinhas que Deus nos deus para que com o tempo elas possam formar uma rosa, um jardim, uma floresta, um campo e ser o melhor de nós. Vamos cuidar para que ela cresça bela e formosa e inunde nossos corações e possa extravasar estas barreiras para toda a humanidade. Sementes de amor, de amor sincero e sem maldade, de amor honesto e leal, de amor fraternal, de amor de renuncia e entrega, de amor puro e simples, de amor humilde e modesto... simplesmente, sementinhas de amor!

Feliz daquele que já aprendeu esta bela lição e começa a colher os primeiros resultados de tanto esforço e dedicação. Feliz daquele que optou em regar suas sementinhas todos os dias para que elas não morram nem mesmo diante dos vendavais e tempestades, nem mesmo diante das maiores dores e decepções. Sempre há tempo...

E, para que tudo isso possa se manifestar e para que possamos sentir essas sementinhas vivas em nosso coração, deixo aos meus amigos uma humilde prece:

“Obrigada Senhor por nos confiar tamanho tesouro. Obrigada por sempre ter piedade e compaixão com as nossas imperfeições, permitindo, por maior que seja o nosso erro, que anjos benditos possam sempre estar por perto para nos guiar. Obrigada Senhor pelas Suas Mãos estarem sempre a regar essas sementinhas. Obrigada, Divino Mestre, por nos oferecer os espinhos, pois são eles que muitas vezes nos mostram a nossa falta de atenção com esta plantação. Obrigada Pai Amado por curar todas as feridas que ganhamos com estes espinhos. Obrigada por nos dar a inteligência necessária para espantar todas as pragas e aplicar a receita do Evangelho. Mas, Jesus querido, pedimos com toda força de nossa alma que nos ampare, pois este tesouro passará por muitas tormentas e tristezas, chegando, inúmeras vezes, a sentir-se morto e perdido, como se não se fizesse sentido. Especialmente nestes momentos, ajuda-nos, Príncipe da Paz, a retomar nossa força e voltar a cuidar destas sementinhas; ajuda-nos a espalhá-las por onde estivermos para que outros seres também possam despertar para a sua própria plantação; ajuda-nos a não deixar que os espinhos sobreponham as virtudes; ajuda-nos a valorizar cada anjo que nos ajuda a regar essa plantação, a valorizar cada espinho, a valorizar cada galho, a valorizar cada pétala, por mais difícil que seja, por mais dolorido, por mais complexo, ajuda-nos a confiar que somente sementinhas de amor, bem cuidadas, proliferadas, cultivadas, podem salvar a humanidade. Fica conosco Mestre, hoje e sempre!”

VIVIANE VASQUES
02-01-2012

24 de dez de 2011

MENSAGEM DE NATAL - ABRA O CORAÇÃO


O meu desejo para este Natal é que vocês, meus irmãos de jornada, possam abrir os vossos corações para todas as maravilhas da natureza: o calor do sol, o brilho da lua e das estrelas, o vento, os pingos da chuva, as plantas, o carinho dos animais... Abrir vossos corações para o próximo: escute um irmão em desespero, ofereça um abraço na desesperança, sorria para quem chora, perdoe as falhas alheias, compreenda mais as diferenças, dê uma palavra amiga, dedique mais tempo aos necessitados, pratique a caridade material e moral... Abrir vossos corações para si: ame-se mais, perdoe-se mais, aceite-se mais, cuide-se mais, valorize-se mais, creia mais em seus potenciais... Abrir vossos corações para Deus: tenha fé Nele, aceite com resignação Seus planos, confie Nele, aprenda com Ele, dedique-se a Ele, ame-O incondicionalmente... Abrir vossos corações para a vida: pelo o ar que respira, pelo corpo que tens, pelas faculdades mentais, pela possibilidade de sentir, pelo emprego que lhe dá o sustento necessário, pela família que tens, pela casa que habitas, pelos amigos e ditos inimigos que o rodeiam...

Neste Natal e para o próximo ano desejo aos meus irmãos de jornada terrena que simplesmente abram mais os vossos corações para a vida e para Deus, deixando de lado todo orgulho, egoismo, raiva, rancor, ódio, vingança, desprezo, inveja. Tudo neste plano passa, todas as coisas materiais se findarão, e restará tudo que você cultivou neste plano: todo o bem que você espalhou por onde passou; os sorrisos que você despertou e as lágrimas que você secou; as famílias que você ajudou a unir, as crianças que você não deixou passar fome e os idosos que você não deixou na solidão; a gratidão dos animais que você resgatou, deu abrigo, comida e uma vida digna... Não levamos nada desse mundo além do que cultivamos e esplhamos por meio das nossas atitudes, pensamentos e sentimentos; coisas estas que devem sempre estar baseadas no perdão, na solidariedade, na compaixão, na caridade, na honestidade, na sinceridade, no companheirismo, na amizade, no amor! Muita paz, amor, saúde, união nesta data tão especial. Que Jesus possa habitar sempre os vossos corações, fazendo de cada um instrumento de seus ensinamentos! FELIZ NATAL E UM ANO NOVO ILUMINADO!
VIVIANE VASQUES
24-12-2011