30 de dez de 2010

REFLEXÃO: NOS PREPARANDO PARA NOVAS PROMESSAS...

Sempre há um novo dia...

As festas de final de ano nos remetem, invariavelmente, a novas promessas para o ano vindouro. Ouve-se de um lado "vou fazer regime", do outro "vou arrumar um namorado (a)", logo ali "vou estudar mais", adiante um "vou dedicar mais tempo à família", e assim por diante. São inúmeras promessas, todas feitas juntas, ditas e repetidas inúmeras vezes, mas que, geralmente, acabam perdidas ao vento e não sendo cumpridas pela falta de uma base sólida, pela correria do dia-a-dia, pela falta de coragem e ânimo, pela incredulidade em nós mesmos e nos outros, por falta de tempo... E assim vai a lista de "obstáculos" que nos param no meio do caminho das nossas conquistas. Para este ano, proponho que antes de nos prometerem e nos comprometerem a fazer qualquer coisa que seja, preparemos as bases para isso...

Comecemos aprendendo que colocar a culpa nos nossos semelhantes por nossas falhas, nossas imperfeições, nossas quedas, nossos erros, nossas irreflexões é o principal obstáculo que nos impede de conquistar nossos objetivos. Dessa forma, tudo que buscamos está dentro de nós e depende único e exclusivamente de nós conquistarmos. Assim, conquistemos a nós, para conquistarmos o mundo. Exploremos o nosso interior, para explorarmos o exterior. E, por favor, vamos parar com essa mania tola de colocar nas mãos dos outros a nossa felicidade e infelicidade, as nossas conquistas e derrotas. Vamos parar de jogar a culpa no outro pelos nossos próprios atos, sejam eles pensados ou impensados, corretos ou incorretos. Nós somos culpados por tudo que nos acontece e somos eternamente responsáveis por tudo aquilo que cativamos !!!!

Agora, comecemos a refletir sobre tudo que fizemos e deixamos de fazer nesse ano que se finda. PENSEMOS: fomos solidários com um irmão que sofria? Doamos uma roupa para um irmão que sentia frio? Deixamos de comer algo para dar para alguém mais necessitado? Fizemos uma visita a um asilo, hospital, orfanato? Agradecemos a Deus por estar vivo e ser perfeito? Lembramo-nos de agradecê-lo, inclusive, pelas dores que temos passado (pois são elas que nos edificarão)? Cuidamos do nosso corpo, da nossa mente, do nosso coração e do nosso espírito o tanto quanto podíamos? Dedicamo-nos ao próximo pelo menos na mesma proporção que nos dedicamos a nós mesmos? Não julgamos nosso próximo por um ato impensado do mesmo? Não participamos de uma fofoca por considerar falta de respeito com o ser em questão? Estas e tantas outras mil questões devem ser refletidas. São questões perturbadoras, outras nem percebidas antes, algumas sentidas e não executadas. Nesse momento, escutemos a voz do nosso coração, pensemos com a razão, deixemos a intuição atuar...

A partir daí, mais conscientizados e se sentindo melhores, pois perceberemos que sempre há novas chances e oportunidades de recomeçar, desde que realmente estejamos dispostos a mudar, comecemos então a eliminar da nossa vida todo amargor, antipatia, arrogância, avareza, ciúme, cólera, comodismo, covardia, deslealdade, desprezo, desumanidade, individualismo, inflexibilidade, ingratidão, insensibilidade, inveja, ira, irresponsabilidade, libertinagem, luxúria, maldade, malquerer, materialismo, melancolia, narcisismo, ódio, pessimismo, preguiça, prepotência, raiva, rancor, rebeldia, ressentimentos, torpeza, vaidade, vingança... E mais uma vez vamos refletir... Reflitamos sobre cada uma dessas palavras, sobre o significado delas, sobre os momentos que a tivemos e do quanto foram ruins (especialmente as conseqüências depois). Reflitamos, também, na possibilidade de extraí-las da nossa vida, pois estes são modos de ser, sentir e estar que não possibilitam a harmonia maior, não conduzem a Jesus, não permitem a felicidade, não fazem o ser progredir e nos afastam da busca da perfeição.

E comecemos, nesse momento, a plantar novos sentimentos... Passemos a cultivar a abnegação, a afabilidade, o bem-querer, a benevolência, a bondade, a brandura, a caridade, o carinho, a clemência, a compaixão, a confiança, a coragem, o desprendimento, o devotamento, a disciplina, a doçura, a esperança, a fé, a flexibilidade, a generosidade, a gratidão, a humildade, a indulgência, a lealdade, a justiça, a mansuetude, a misericórdia, a modéstia, o otimismo, a paciência, a pacificidade, a perseverança, a piedade, a pureza de coração, a resignação, a responsabilidade, a simpatia, a simplicidade, a sinceridade, a solidariedade, a ternura... E, mais uma vez, refletimos sobre cada uma destas palavras e percebemos que estes são modos positivos de sentir o mundo ao redor e deixar fluir o âmago cristão, que nos liga a Deus e que nos sustentam. Estes são as chaves do progresso do espírito e os bálsamos que aplacam as chagas do mal. Estes se constituem os mais eficazes remédios contra o sofrimento e a oportunidade maior que possuímos de atingir a paz interior.

E deixemo-nos, nessa etapa, nos sentir mais leves e abertos a estes sentimentos, permitindo que eles tomem nosso corpo, nossa mente, nosso coração e nosso espírito. Alguns são mais difíceis, outros mais fáceis, mas nenhum deles é impossível. Comecemos, portanto, devagarzinho, sem pressa, sem amarras... Comecemos por aqueles que temos um pouco mais de domínio e, conforme for dominando-o, mudamos para o próximo. Do mais fácil para o mais difícil. Um de cada vez, caso seja necessário, pois a pressa não leva ninguém a lugar algum... Vamos agindo conforme a nossa própria capacidade, dando sempre o melhor de si.

Pronto! Agora já podemos começar a perceber que não temos mais promessas grandiosas e inalcançáveis que se perderão com o tempo, pois nos preparamos para isso. Percebemos que, ao refletir, conseguimos descobrir o que realmente é importante e necessário do que é supérfluo. Nós pudemos conhecer a nós mesmos e as nossas necessidades e, a partir daí, pudemos conhecer o mundo e aprendemos a lidar com ele. Perceberemos que as melhores coisas da vida estão nas mais simples e mais próximas de nós (no canto de um pássaro, na lua que dorme e no sol que se levanta, na flor que se abre, na melodia que invade sua alma, no sorriso de uma criança, no abraço de um amigo, no beijo de uma mãe...). Perceberemos também que sempre há algo maior e que nossos problemas são apenas "obstáculos a transpor" e que, definitivamente, eles não merecem serem tão sofridos e intensificados como costumamos fazer, mas sim aprendidos.

E perceberemos, acima de tudo, o amor... O amor a Deus, por si mesmo, pelo próximo. O amor que liberta, que constrói, que edifica almas. Exatamente aquele amor que Jesus nos ensinou. E ele será o principal alicerce de edificação para os sentimentos bons. Ele será nosso guia quando nos perdermos. Ele será a mão que nos erguerá quando cairmos. Ele será nossa força quando nos sentirmos abatidos e desanimados. Ele, somente ele, poderá nos levar onde quer que a gente queira chegar...

Por fim, um alerta: não será fácil! A principio, como tudo na vida, acharemos moleza. Mas, com toda certeza, nós vamos cair, vamos ser tentados, vamos nos desequilibrar, vamos chutar o balde, vamos nos irritar, vamos nos desesperar, vamos chorar, vamos sofrer, vamos pensar em desistir... porque teremos que encarar uma mudança. Portanto, conscientizemo-nos desde já que isso é normal e, por mais evoluído que o ser seja, isso vai acontecer com maior ou menor freqüência, por conta de suas conquistas anteriores. E não nos culpemos e menos ainda nos percamos ou nos entreguemos a estas quedas. Nesses momentos, busquemos algo dentro de nós que nos dê mais força, pois, acredite, todos temos essa força para vencer, essa força para se levantar, essa força para se (re) erguer, essa força para mudar... Basta querermos!

"Desejo a todos os meus irmãos e companheiros de jornada um excelente final de ano e um 2011 pleno de luz. Que Deus e seu filho Jesus possam estar presentes no coração de todos vocês. Que Eles possam invadir suas vidas e de todos que os cercam. E desejo também muita força para que consigam refletir sobre suas ações, sentimentos e pensamentos, que consigam alcançar suas promessas, que consigam enfrentar seus "monstros", que consigam realizar seus sonhos, enfim, que consigam alcançar a relativa felicidade deste mundo, que se encontra dentro de cada um de nós..."

25 de dez de 2010

ESPÍRITO DE NATAL


Deixa eu ver se o espírito do Natal já está na sua casa...


Não, não quero ver a árvore iluminada na sala, nem quero saber quanto você já gastou em presentes...Quero sim, sentir no ambiente, a mensagem viva do aniversariante desse Dezembro mágico: toda a família está unida? O perdão já eliminou aquelas desavenças que ocorrem no calor das nossas vidas?



Entenda, não quero ver a sua despensa cheia... Quero sim saber se você conseguiu doar alguma coisa do que lhe sobra para quem tem tão pouco, às vezes nada.


Não exiba os presentes que você já comprou, mesmo com sacrifício. Quero ver ai dentro de você a preocupação com aqueles que esperam tão pouco... talvez uma visita, um telefonema, uma carta, um e-mail, um simples sorriso…


Quero ver o espírito do Natal entre pais que descobrem tempo para os filhos, em amigos que se reencontram e podem parar para conversar, no respeito do celular desligado no teatro, na gentileza de quem oferece o banco para o mais idoso, na paciência com os doentes, na mão que apóia o deficiente visual na travessia das ruas, no ombro amigo que se oferece para quem anda meio triste, perdido.

Quero ver o espírito de Natal invadindo as ruas, respeitando os animais, a natureza que implora por cuidados tão simples, como não jogar o papel no chão, nem o lixo nos rios.


Não quero ver o Natal nas vitrines enfeitadas, no convite ao consumo, mas no enfeite que a bondade faz no rosto das pessoas generosas.


Por fim, mostre-me que o espírito do Natal entrou definitivamente na sua vida através do abraço fraterno, da oração sentida, do prazer de andar sem drogas e sem bebidas, do riso franco, do desejo sincero de ser feliz e de tão feliz, não resistir ao desejo de fazer outras pessoas também felizes.


Deixe o Natal invadir a sua alma, entre os perfumes da cozinha que vai se encher de comidas deliciosas, no cheiro da roupa nova que todos vão exibir, abrace-se à sua família e façam alguns minutos de silêncio, que será como uma oração do coração, que vai subir aos céus e retornar com um presente eterno, duradouro: o suave perfume de Jesus, perfume de paz, amor, harmonia e a eterna esperança de que um dia, todos os dias serão como os dias de natal.

FELIZ NATAL !!!!

4 de dez de 2010

CULTURA DO MASSACRE OU MASSACRE DA CULTURA?

Essa semana fui ler alguns e-mails que estavam há tempos na minha caixa de mensagem e eu observei um com o título "Vergonha Mundial - Quando encaminhar assine embaixo!". Num primeiro momento pensei que fosse aquelas correntes sem fim que alguns desocupados teimam em propagar. Mas, pensando melhor, resolvi vê-lo... Qual foi minha surpresa que não era uma corrente qualquer, mas uma corrente de amor à vida. Vamos ao e-mail...

"Dinamarca, uma vergonha! O mar se tinge de vermelho, entretanto não é devido aos efeitos climáticos da natureza, mas a crueldade com que os seres humanos (seres civilizados) matam centenas dos famosos e inteligentíssimos Golfinhos Calderon. Isso acontece ano após ano na Ilha Feroe na Dinamarca. Deste massacre, participam principalmente jovens. Por quê? Para demonstrar que estes mesmos jovens já chegaram a uma idade adulta, estão maduros (?). Em tal celebração, nada falta para a diversão: TODOS PARTICIPAM DE UMA MANEIRA OU DE OUTRA, matando ou vendo a crueldade, 'apoiando-a como espectador'. Cabe mencionar que o Golfinho Calderon, como quase todas as outras espécies de golfinhos, se aproxima do homem unicamente para interagir e brincar em gesto de pura amizade. Eles não morrem instantaneamente, sendo que são cortados uma ou duas vezes com ganchos grossos. Nesse momento, os golfinhos produzem um som estridente bem parecido ao choro de um recém-nascido. Mas, sofre e não há compaixão até que este dócil ser se sangre lentamente e sofra com feridas enormes, até perder a consciência e morrer no seu próprio sangue. Finalmente, estes 'heróis da ilha', agora se julgam adultos racionais e com direitos. E, como podemos ver, já demonstraram sua 'maturidade'.”

Observamos que tal acontecimento faz parte da cultura deste povo, sendo que a definição de cultura, de acordo com o Aurélio, é o complexo dos padrões de comportamento, das crenças, das instituições, das manifestações artísticas, intelectuais, etc, transmitidos coletivamente e típicos de uma sociedade e também o conjunto dos conhecimentos adquiridos em determinado campo.

Partindo destas definições, vamos analisar um pouco... Se cultura são padrões de comportamento, digamos que para este povo matar um animal é padrão de comportamento. Abre aspas: tais matanças não acontecem somente neste país, mas, em todos, diferenciando somente os "alvos" (não vemos jovens brasileiros enforcando pobres gatinhos depois de baladas?), Fecha aspas. Se é tão fácil assim matar um animal sem se importar com a sua dor, seu sofrimento, seu choro, seu grito pela vida, porque não seria fácil também matar outro ser humano? Qual seria o problema em matar sua própria espécie, a troco de nada, assim como fazem com estes seres indefesos? Afinal, o padrão de comportamento adquirido pela sociedade é a lei da matança.

Num segundo momento analisamos a questão das crenças, enfocando-nos especificamente nas crenças religiosas. Até onde sei, seja a religião que for, a lei máxima é "amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo." Por favor, se eu estiver errada me corrijam sobre esta citação. Pois bem... numa situação como essa, há a ausência completa de amor. Não há amor em Deus, não há amor ao próximo e, conseqüentemente, não há amor por si mesmo, pois quem ama a Deus respeita a sua criação, respeita todos os reinos, independentemente de cor, raça, espécie, tamanho, credo. Deus não criou seus filhos para matarem e serem mortos; Deus criou seus filhos para o AMOR!

No terceiro momento nos focamos nos comportamentos típicos de uma sociedade e no conjunto dos conhecimentos adquiridos. É... agora matar é comportamento típico, ou seja, um comportamento considerado normal e, se é um conjunto de conhecimentos adquiridos, provavelmente alguém ensinou ou propagou tal comportamento. Pensou se vira moda sair matando os animais? As crianças, na pré-escola, já estão sendo educadas com isso. Observe a letra da música: atirei o pau no gato, mas o gato, não morreu... e a dona Chica admirou-se com o berro do gato!Óbvio né Dona Chica, ele sente dor exatamente assim como a senhora! Pois é minha inocente criança, como ele não morreu tente bater novamente até que ele morra, afinal a sociedade em que você está crescendo esta te ensinando isso, então como poderão exigir um comportamento cristão seu, não é mesmo? Padrão de cultura...

Agora nos questionemos: a população, diante de tal festa, está incentivando a cultura do massacre ou estão massacrando a cultura desse povo? Será que, em nenhum momento, estes seres ditos "racionais que buscam sua maturidade” pararam para refletir que os animais, exatamente assim como eles, têm alma, têm sentimentos, sentem dor, choram, sofrem...? Será que, em nenhum momento, nenhuma instituição (igreja e escola, principalmente) os ensinou a Lei do Amor pregada por Cristo e os ensinou que a caridade é a melhor forma de demonstrar maturidade e senso moral? Será que, mesmo se tivessem todos os conhecimentos em mãos, tais homens praticariam tamanha atrocidade somente por este ser o modelo a ser seguido pela sociedade? O QUE ESTAMOS FAZENDO COM AS NOSSAS CRIANÇAS E OS NOSSOS JOVENS? Que tipo de homens estamos formando? Que tipo de seres humanos eles vão se tornar? São tantas as questões que nos rondam...

A que ponto nossa humanidade está chegando. Depois quando temos catástrofes, exclamamos, "oh Deus o que fizemos a ti para receber tamanho castigo?". O que será hein... Acho que não precisamos pensar muito. Vale ressaltar que isso não é castigo Divino, isso é lei de ação e reação humana mesmo! Não coloquemos a culpa em Deus pelas nossas atitudes impensadas, maldosas e omissas. Se plantarmos paz, colheremos paz. Se derramarmos sangue, colheremos sangue.

Crueldade e maldade desse tipo vamos encontrar em todo mundo. Mas o que nós, que temos um pouco mais de senso moral e consciência, estamos fazendo para modificar este quadro? Omissão também implica participação em situações desse nível. Vermos, e nos calarmos, é o mesmo que aplaudir este comportamento típico tão fantástico aos olhos de alguns humanos e tão tristes aos olhos do nosso Pai.

Não estamos aqui para julgar, condenar e jogar estas pessoas na fogueira, pois também somos falhos. Estamos aqui para chamar a atenção de todos: vamos acordar meus amigos e fazer nossa parte. Vamos defender os animais, pois eles, especificamente estes golfinhos, não tiveram a oportunidade de dizer ao mundo que eles só queriam viver, que eles só queriam poder nadar livremente pelo mar, que eles só queriam brincar e ter um pouco de carinho, que eles só queriam o que TODOS queremos: amor, carinho e um pouquinho de atenção. Eles, assim como muitos de nós, acreditamos que aqueles homens eram pessoas boas e que estavam ali para ajudar. Até onde o homem consegue enganar a si mesmo...?!

Terminamos com algumas questões para reflexão: 1. O que estamos fazendo com a nossa cultura e o que ela tem feito em nossas vidas? 2. O que estamos ensinando as nossas crianças e aos nossos jovens? Afinal, eles são o futuro da nação. 3. Quem são os verdadeiros seres irracionais nessa história?


SIM à vida...

...e NÃO à morte!

19 de nov de 2010

Eu e Deus...SEMPRE!





Comecei escrevendo estas palavras pensando em fazer um diário para relatar o que estou vivenciando. Depois, simplesmente pensei em escrever como um desabafo, um grito interior. Mas, ao terminá-las, eu decidi publicá-la.

Nesse exato momento em que escrevo (exatas 23:45), eu acabo de me sentir um pouco mais solitária, mais desprezível, mais inútil, mais desnecessária (e quem nunca se sentiu assim?). Nesse exato momento é como se a dor que eu vinha suportando, explodisse em forma de palavras. Nesse exato momento é como se todos fossem importantes, menos eu. É como se ninguém pudesse ouvir um "não", somente eu. É como se eu fosse forte o suficiente para agüentar tudo de todos. É como se a minha dor não fosse nada diante da dor dos outros... Então, resolvi conversar com o meu computador. E, ao começar a contar o que estou vivendo para ele, reparei que todo momento eu mencionava Deus e percebi que, na verdade, eu estava conversando com Deus. Vamos lá então?!

"Sabe Deus, estou passando por muitas provas e experiências menos felizes na minha vida. Você, na sua infinita misericórdia, está me ensinando na prática o que é fé. Está me ensinando na prática, como eu me neguei a aprender na teoria, a crer em Ti e a colocar todos os meus problemas em Suas mãos. É difícil viu Deus, mas, você é meu pai e somente você sabe o que é bom ou não para mim...

É Deus, essas provas estão cada vez mais duras e árduas. Quando penso que está se ajeitando, tudo se modifica novamente... E eu chego, mais uma vez, a conclusão que a vida terrena é uma eterna prova e estamos sempre em busca de mais.

A principio tive que aprender a lidar com a mudança drástica de vida que seria o "do vinho para água" (inverto porque eu parei de beber), e, junto dessa, todas as críticas possíveis e viáveis. Em seguida, o sentimento amor, mas, como ele não vem sozinho, estou tendo que aprender a lidar com o ciúme e a posse. Pensando que isso era "problema", um dos meus anjos do berçário morre essa semana (a maior dor que eu já senti na minha vida). E eu que achava que tinha problemas até então hein Pai...

Apesar de utilizar a palavra problema, eu entendo TUDO que eu estou vivendo como experiências terrenas para que eu evolua moralmente e espiritualmente. Esse é nosso objetivo né Pai? Pois bem, eu vou acatá-lo! E vou ser forte, e vou vencer todos os obstáculos que me aparecerem, e vou me levantar de todas as quedas, e vou enfrentar todos os julgamentos, e vou passar por todas as provas, e vou vencer!

E sabe por que tudo isso Pai? Porque eu posso! Porque eu tenho Você na minha vida, no meu coração! Porque é em Você que eu acredito e não nos homens; não nesses seres tão mesquinhos, egoístas e orgulhosos. Porque eu vim aqui para este plano enfrentar minhas provas e expiações de cabeça erguida, mostrando ao mundo que, tendo Ti dentro do peito, não precisamos de mais nada e de mais ninguém.

Olha, nunca pensei que eu pudesse ser tão forte e sentir tão firmemente a Tua presença na minha vida. Somente com um Ser tão poderoso presente é que a nossa vida se modifica. Somente com um Ser tão sublimado por perto que tudo de bom se amplia... a alegria, a bondade, a esperança, a humildade, o perdão, o amor, a luz, enfim, todas as virtudes. E todas as inferioridades se afastam, elas simplesmente somem de nossas mentes e corações.

Eu entendo Mestre que o Senhor é justo e que dá a todos os seres provas de acordo com a capacidade de cada um. No entanto, cada um acha que a sua prova é a maior, a mais dolorosa, a mais difícil, a insuportável, a insuperável. E realmente é! A minha é a maior, é a mais dolorosa, é a mais difícil. Até o ponto que eu encontro Ti e este problema, esta prova, não é mais insuportável e nem insuperável, justamente porque eu peguei na Sua mão Pai e estou segurando com toda a minha força.

E é engraçado, porque a cada dia este problema tem se tornando mais leve, mais fácil de compreendê-lo. Está sendo até mais fácil de continuar respirando nesse mundo tão perturbado e cheio de desvarios em que me encontro. Está sendo até possível sonhar. Veja quanta coisa boa Você tem trazido para mim depois que eu decidi segurar a Sua mão...

Mas nós seres humanos somos complicados né Pai?! Diante dos problemas, ou das experiências da vida ou das provas, independentemente da denominação que usamos, preferimos sempre nos ferir, nos machucar, nos torturar, nos infelicitar, nos culpar, nos mutilar, nos destruir por fora e por dentro. Diante destas experiências parece que o chão some, que o mundo se esvazia, que falta ar. Parece que não resta nada além de nós, nossos sentimentos, nossas dúvidas, nossos medos, nossos receios... nossa solidão! Mas só parece, não é mesmo Senhor?!

Mas nós temos opção! Diferentemente de outros seres, nós temos nosso livre-arbítrio. E temos sempre muitas opções. Diante de uma experiência da vida, principalmente de uma experiência menos feliz, podemos: nos entregar a ela; ignorá-la; sentar e ficar esperando tudo se resolver 'sozinho'; nos lamentar; piorá-la inventando mil coisas a mais do que realmente existe; fugir; etc. Ou nós podemos levantar a cabeça, agarrar com toda força as Suas mãos e se jogar nessa experiência, nesse problema, nessa prova...

E é exatamente isso que eu tenho feito Senhor. Diante dessa onda gigante e interminável que invadiu a minha praia, eu optei por olhá-la de frente e dizer em claro e bom som:  "eu tenho o Ser mais poderoso que possa existir AO MEU LADO E DENTRO DE MIM e, aconteça o que acontecer, ELE não vai me abandonar!"

Todos os homens ditos humanos podem me abandonar, podem me julgar, podem me ofender, podem me condenar, podem me humilhar, podem me xingar, podem me considerar inútil. Todos podem fazer o que quiserem comigo, mas, com toda confiança e segurança, eu vou lhes dizer: "meu Pai está comigo e NENHUM de vós, NENHUM de vossos problemas, será capaz de me derrubar."

...porque são as minhas escolhas que dirão quem eu sou e para onde irei; são as minhas escolhas que ditarão que tipo de ser humano eu quero ser e me tornar; são as minhas escolhas que farão de mim uma pessoa melhor ou pior; são as minhas escolhas que mostrarão a minha fé ou a minha descrença; são as minhas escolhas que me levarão ao céu ou ao inferno; são as minhas escolhas que ditarão o tamanho dos meus problemas; são as minhas escolhas que irão fazer brotar um sorriso ou uma lágrima; enfim, são as MINHAS escolhas, e não as do MUNDO. Somente EU, e absolutamente mais ninguém, é responsável por tudo que eu cultivo no meu jardim.

Sabe meu Pai, hoje eu percebo com mais clareza que não importa qual seja o problema que nós seres humanos passamos, Você vai estar conosco. Não importa o que aconteça, Você vai nos apoiar porque somos seus filhos e Você nunca solta a mão de sua criação. Não importa se achamos injustas determinadas situações, só Ti sabe o que é justo ou não. Enfim, simplesmente não importa o mundo lá fora se o mundo aqui de dentro estiver inteiramente preenchido com o Seu Amor...o Amor Divino, o Amor Sublime, o Amor fraterno, o Amor insubstituível, o Amor insuperável...o AMOR!"

Hoje, diante de inúmeras experiências dolorosas que eu tenho passado, eu consegui entender que TUDO na vida se resume a DEUS e a como eu coloco Ele na minha vida. Tenho estudo esta linda teoria, mas somente na prática consegui absorver tamanho aprendizado. E hoje eu entendi que, em todos os momentos, eu posso contar com Ele, porque eu realmente sou importante para ELE. E Ele vai me ouvir, Ele vai me aconselhar, Ele vai me abraçar, Ele vai me apoiar, Ele vai me compreender, Ele vai me respeitar, Ele vai ser meu amigo fiel, Ele vai agarrar minha mão, Ele vai me dar bronca, Ele vai me acarinhar... ELE vai tudo isso aí e muito mais, porque ELE é pai e porque ELE é Divino.

Se você está passando por um problema difícil; se você não está conseguindo enxergar luz no meio da escuridão; se você se entregou a esse problema e não consegue sair; se você simplesmente não sabe o que fazer e como fazer; faça exatamente como eu: SEGURE NA MÃO DE DEUS; CONFIE NELE, NA SUA JUSTIÇA E NO SEU TEMPO; E ELE TUDO FARÁ POR TI E PELA SUA FELICIDADE E CRESCIMENTO. Assim como ELE tem feito por mim e por muitas outras almas que se entregam à Ele. Aprenda a transformar a sua dor em aprendizado e em bálsamo consolador para outras almas sofredoras. VOCÊ, JUNTAMENTE COM DEUS, PODE!

Que a paz de Deus possa estar presente no coração de todos!

Obs.: Tudo de ruim que eu estava sentindo ao iniciar este texto já não existia mais ao terminá-lo.

16 de nov de 2010

DESABAFO INTERIOR

- Vou chamar sua atenção...!

E desta vez não me venha com desculpas, por favor...

Vamos começar combinando assim: eu falo e você simplesmente me escuta e reflita! Afinal, cedo ou tarde, acabaríamos tendo este diálogo.

Agora somos apenas dois... Nós e nossa consciência! Então, primeiramente, gostaria de levantar algumas perguntas bem simples e, por favor, sem rodeios para respondê-las. Vamos lá... Com toda sinceridade, por que nos ignoramos tanto? Por que tememos este contato conosco mesmo, se nós mesmos sabemos que é inevitável? Para que adiar?

Pare! Olhe a nossa volta...

Ahhhh, perdoe-me... Não estamos mais acostumados a observar, não é mesmo?! Mas, insista um pouco mais. Vamos que juntos conseguiremos!

Olhe... Veja onde estamos agora. Vamos parar por alguns instantes o que estamos fazendo, pois se posso lhe oferecer este breve tempo, nada mais justo do que você me oferecer um pouco de atenção.

Nossa... Quanta coisa ao nosso redor, não é mesmo?! Nem tínhamos notado. Já conquistamos tanto... Veja! Tudo bem que ainda não estamos na (1)posição social que desejamos, mas convenhamos que sempre falta algo, não é mesmo? Ainda bem que não deixamos nada para trás...

Por que o silêncio? Será que pensamos algo errado ou que não devíamos? Não vamos desistir agora só por causa de um apertozinho no coração, o que é isso?! Somos tão fortes!

E nesse momento o que acha de voltarmos um pouco no tempo...?

Lembrar das nossas peripécias de criança... Nossa como aprontávamos! E quando adolescentes então... Ah, quanta confusão! E aquela nossa turma do ginasial, lembra? Por onde será que andam heim?! Quanta saudade que deixamos no armário do tempo, não é mesmo... Éramos tão livres que até o ar parecia mais leve.

Isso porque talvez não nos importássemos tanto com o que queriam que a gente fosse ou porque não tínhamos tanto tempo sobrando para nos preocupar com o “molde” que queriam nos encaixar.

MOLDE! Será que isso nos faz lembrar algo? Por que motivo comparar nossa vida com um molde? Afinal, essa expressão tem mais haver com um modelo do que com a vida.

Por outro lado, refletindo um pouco mais, será que estamos realmente vivendo dentro de algum molde? Difícil responder... Fomos pegos de surpresa não é? Então vamos pensar juntos novamente...

Em algum lugar do nosso passado existiu um momento em que adotamos este molde no qual nos encontramos hoje. Se pararmos para pensar que estamos constantemente mudando, talvez a chave de tudo possa estar ai! Então, para quem ou porque estamos mudando? Esta mudança nos faz mais livres ou nos aprisiona em mais um modelo, um molde?

Quando crianças, queremos ser nossos pais ou algum super-herói; na adolescência, a popularidade é nossa meta; quando adulto, buscamos a conquista de nossos ideais, para que, assim, quando a velhice chegar, possamos desfrutá-la com um pouco mais de tranqüilidade. Já parou para pensar em tudo isso?! Quantos moldes, quantas vidas, quantos sonhos!

Mas, será que estamos vivendo e desfrutando o que a vida nos oferece? Será que o molde que estamos usando neste momento não está sendo apertado demais para nós? Meu Deus... Para onde estamos indo?!

Quem foi que nos disse que nossos sonhos são impossíveis? Quem nos fez acreditar que nosso cabelo não combina com a gente? Quem colocou na nossa cabeça que, para ser feliz, temos que ser um modelo de sedução? Quem nos fez aceitar que o sapato que mais gostamos já não está na moda e que, por isso, seremos bregas se usá-lo? Quando foi a última vez que andamos descalços, sentido a terra ou a grama entre nossos dedos? Por que nunca mais tomamos um banho de chuva? E aqueles desenhos que amávamos, desde quando deixamos de assisti-los? Por que acreditamos que, se nos declararmos e dissermos “Eu te Amo”, estaremos entregando os pontos? Por que paramos de comer a raspa do brigadeiro, que fica grudada no fundo daquela panelinha velha, quando estamos diante de outras pessoas? Desde quando começamos a nos ocultar para viver... Desde quando?

Será que por que crescemos? Será que por que já não esta mais na moda? Será que por que só fazemos o que todos querem ou o que a revista de etiqueta dita? Será que por que agora temos mais responsabilidades? Será, será, será...?

E enquanto isso... O tempo não volta! O que passou, ficou lá atrás... E o que estamos esperando para começar a desfrutar a vida novamente?

(2)Viver é uma arte... É simples! Mas, a realidade, é que exigimos muito da vida e o resultado não poderia ser diferente a não ser este corre-corre descontrolado em busca das utopias. Quase não temos tempo para um olhar, um abraço, um sorriso. Nem paramos mais para conversar... E quando paramos, na maioria das vezes, o assunto acaba desviando para os becos da lamentação infundada ou nas observações que não deixamos passar em branco sobre a vida alheia.

As perguntas que faço diante disso é: O que estamos fazendo? Quanto tempo ainda vamos suportar em meio os nossos próprios (3)tormentos voluntários para entender que a vida segue um ritmo, um pulsar?

Sinta as batidas do coração, ouça o ritmo da vida sempre pulsando dentro de nós, observe os ponteiros de um relógio, sinta o movimento do vento, aprecie um nascer ou um pôr-do-sol, contemple as estrelas, sinta o exalar das plantas... Tudo esta em harmonia, é o ritmo da vida!

E o nosso ritmo, como está? Será que estamos esquecendo de viver o momento mais precioso que a vida nos oferece? Momento este que a todo instante se torna parte do passado para que, pouco a pouco, vá se somando a nossa coleção de lembranças. Estamos falando do “presente”, o agora, nosso hoje. O próprio nome não poderia ter melhor definição: “PRESENTE”. E realmente é um presente que a vida nos oferece, mas que, infelizmente, estamos ocupados e apressados demais para abri-lo e vivê-lo.

É no presente que devemos viver, porque é somente (4)aqui que iremos realmente aprender, é somente assim que iremos sentir a vida. O que estamos esperando então?! A situação melhorar? Boa desculpa! Enquanto isso, a vida vai continuar e tudo a nossa volta vai mudar, pois tudo evolui, tudo está em constante (5)progresso.

Já atingimos por mérito a classe dos “Seres Racionais”, mas muitas vezes agimos na irracionalidade. Somos dotados da capacidade de (6)escolha e a vida está nos convidando para participar de uma linda festa, a qual cabe a nós aceitarmos ou não.

Existem aquelas afirmações que dizem: “na minha época tudo era diferente, por isso éramos mais felizes!” Engraçado, achei que nossa época fosse o agora, já que estamos em constante evolução. A não ser que estamos vivendo de passado e, mais cedo ou mais tarde, seremos sufocados por ele.

Confie... Vamos viver!

Respire mais... É de graça!

Agradeça... (7)Agradecer é uma dádiva e nos conecta com Deus e com a Vida!

Lembrem-se: nos tornamos aquilo que julgamos ser.

Agora acho que já podemos refletir melhor... Como estamos lidando com nosso molde de Vida?

José Antonio da Cruz – Catanduva, 11/11/2010


Referencias para estudo:
(1) E.S.E – Cap.XVI-Item: 7
(2) E.S.E – Cap. V-Item: 18
(3) E.S.E – Cap. V-Item: 4
(4) L.E - Livro II – Cap. IV – Questão: 167
(5) L.E - Livro III – Cap. VIII- Questão: 779
(6) L.E - Livro III – Cap. X-Questão: 843
(7) L.E - Livro III – Cap. II - Questões: 658, 659, 660
(7) E.S.E – Cap.XXVII -Eficácia da Prece

23 de out de 2010

O JARDIM DA VIDA

A vida é um imenso jardim no qual cada um de nós semeia através de nossas próprias ações. Sendo assim, estejamos atentos a esta semeadura para que possamos distribuir e multiplicar os talentos(1) que o pai nos confiou. A semeadura é livre, porém, todos somos responsáveis pela colheita.

Aqueles que utilizaram dos seus talentos para semear(2) e propagar o bem colherá, em tempo certo, os frutos doces do amor, adquirindo forças para sua jornada. Mas, neste nosso campo fértil, nem sempre fazemos bom uso das nossas sementes, pois enterramos os nossos talentos nas algemas do orgulho e do egoísmo e estes se transformam em ervas daninhas que sufocam nossa vontade... E quais são os resultados desta colheita?  Quedas e desvios de toda sorte. “Vigiai e orai, nos advertira Jesus” (3).

Manter-se vigilantes em nossos campos! E nos momentos difíceis, elevemos nossos pensamentos em prece(4) carregando nossas usinas interiores geradoras de forças que irá nos elevar em sublimes pensamentos de paz e esperança, pois, quando a alma se eleva a esferas divinas, pouco a pouco vamos deixando de ser arrastados para os lamaçais das baixas vibrações.

Somos os trabalhadores da última hora(5) convocados a servir na vinha do senhor. Façamos, então, de nossos campos, verdadeiros mananciais de amor na certeza de que nossa colheita será farta e abençoada rendendo os frutos do evangelho de Jesus que deverá habitar na consciência dos homens de bem.
José Antonio da Cruz. Catanduva-SP – 21/10/2010


Referências:
(1)E.S.E – Capitulo XVI, Item 6 -  Parábola dos Talentos
(2)E.S.E – Capitulo XVII, Item 5 -  Parábola do Semeador
(3)Novo Testamento, Mateus Cap. 26, v41 – Marcos Cap. 14, v38
(4)E.S.E – Capitulo XXVII, Item 6 – Eficácia da Prece
(5)E.S.E – Capitulo XX, Item 1 – Os Trabalhadores da Última Hora

11 de out de 2010

A DOR...

A dor vem quando menos se espera,
e se aloja, fazendo-nos nos apedrejar,
nos lastimar, nos entregar, nos lagrimejar...

A dor pode ser fraca ou forte,
pode ser no corpo ou na alma,
pode durar alguns segundos ou uma eternidade inteira...

A dor nos domina nos momentos menos esperados,
é na saida do trabalho, é diante de uma prova,
é num momento de reflexão, é diante de um sentimento oculto...

A dor, pura e simples como água que desce das cachoreiras.
A dor, que afeta os mais profundos órgãos e desperta as mais loucas sensações...

A dor da perca, a dor da revolta, a dor do amor,
a dor da compaixão, a dor da falta, a dor da insatisfação,
a dor fisica, a dor moral, a dor espiritual...

Não importa de onde ela vem,
não importa o porque ela venha,
não importa quanto tempo ela dure...

O que importa é que ela nos faça crescer!
O que importa é que ela nos torne um ser humano melhor!
O que importa é que ela nos faça enxergar a realidade!
O que importa é que apesar de toda a dor, ainda existe um Deus que nos apoia...

9 de out de 2010

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ - AMELINHA




Foi Deus que fez o céu, o rancho das estrelas
Fez também o seresteiro para conversar com elas
Fez a lua que prateia minha estrada de sorrisos
E a serpente que expulsou mais de um milhão do paraíso
Foi Deus quem fez você
Foi Deus que fez o amor
Fez nascer a eternidade num momento de carinho
Fez até o anonimato dos afetos escondidos
E a saudade dos amores que já foram destruídos
Foi Deus
Foi Deus que fez o vento
Que sopra os teus cabelos
Foi Deus quem fez o orvalho
Que molha o teu olhar, teu olhar
Foi Deus que fez as noites
E o violão pra gente
Foi Deus que fez a gente
Somente para amar, só para amar
FOI DEUS!

"Nessa passagem que é a vida terrena muitas vezes nos sentimos sós, sem rumo, sem ninguém para nos apoiar. Quantos são os dias que nos perguntamos o por quê de tanta solidão e como nos livrarmos dela. Mas também quantas foram as vezes que nos permitimos olhar ao nosso redor, sem medos e receios, e realmente enxergar as pessoas como nosso próximo, nosso companheiro, e conseguimos entregar nossos mais puros sentimentos à elas. Quantas foram as vezes que nos permitirmos nos curar dessa solidão, demonstrando tais sentimentos aos nossos próximos e permitindo que um irmão nos abraçasse.


Deus não nos abandona nunca...Deus coloca sempre pessoas em nossos caminhos para nos ajudar nas duras provas e expiações que nos propomos a enfrentar. Deus é todo amor e misericordia e nunca abandona seus filhos...


Devido ao nosso imenso materialismo, muitas vezes não conseguimos alcançar estas mãos tão misericordiosas, que nos parecem tãos distantes, e acabamos por nos perder nas batalhas da vida...encontrando somente solidão e medo pelo caminho. E nesses momentos, se abrirmos nosso coração, perceberemos que Deus coloca "alguém" no nosso caminho. Alguém realmente palpável, suscetível de erros e acertos exatamente assim como nós, alguém que tenha um carinho para dar, alguém que saiba compreender nossos defeitos e qualidades...alguém de carne e osso, exatamente como nós.


E esse alguém chega para dar uma mão amiga e um abraço carinhoso nas horas mais dificeis. Alguém que enxuga nossas lágrimas nos momentos mais tristes, e nos mais felizes também. Alguém que nos escuta e nos compreende com o coração e com a alma. Alguém que nós podemos contar sempre, seja a hora que for e o motivo que for.


E esse alguém pode estar num simples vizinho, pode ser um amigo/amiga, pode ser um namorado ou um marido, pode ser um primo ou um tio, pode ser um professor, pode ser um colega de caminhada...pode ser qualquer um com boas intenções e amor no coração.Um amor próximo do que o Pai sente por nós, um amor puro e verdadeiro, um amor de irmão, um amor regado de compaixão, humildade e simplicidade...


E essa solidão se finda quando nos permitimos deixar amar e quando abrimos os olhos das almas para tais companheiros. E essa solidão se finda quando seguramos com força e coragem a mão de nosso "anjo". E todas as serpentes, e todos os afetos escondidos, e todos os amores destruidos, e todas as dores se tornam fardos mais leves e carregáveis. E os elementos mais sutis se tornam alimentos para a nossa alma.



E nesse momento temos a certeza e podemos cantar com toda força..."foi Deus quem fez você", pois só um ser tão Supremo é capaz de tamanha compaixão com seus filhos."

27 de set de 2010

PAI NOSSO- PADRE MARCELO ROSSI



O vídeo, com as palavras e a música, mais lindo que eu já vi...

BRASIL NOSSA PÁTRIA, NOSSA MISSÃO

Mais uma vez estamos prestes a decidir quem irá representar o povo brasileiro. Dias antes de irmos às urnas, as campanhas eleitorais ganham forças não poupando seus comentários, acusações e falta de ética com o eleitor brasileiro. Campanhas políticas cada vez mais interessadas em se auto-promoverem não medem esforços para atingir seus objetivos, passando, assim, por cima dos direitos daqueles que irão lhes eleger no qual o lema é: para que esclarecer já que podemos confundir. E é neste vai e vem e empurra e empurra que o povo brasileiro simplesmente entra no embalo.
Em pleno século 21 ainda nos fazem acreditar que existe um Deus que pune, mesmo que os ensinamentos de Jesus sejam de perdão e amor ao próximo. Com isso, acreditamos que é melhor castigar do que prevenir... “nasceu assim, morre assim”, sendo que esta é a desculpa esfarrapada em defesa da personalidade. Admitimos claramente que não temos condições de mudar porque somos dessa ou daquela maneira, porém exigimos mudanças da parte daqueles que irão governar o Brasil nos próximos quatro anos.
"Eduquem as crianças e não será preciso castigar os homens”, já nos advertia Pitágoras (Séc. VI A.C). Mas parece que ainda insistimos em não aprender a lição e enquanto isso a culpa sempre é do “outro”, o qual julgamos cheio de defeitos e que supomos conhecer tão bem.
Queremos mudanças, mas será que estamos colaborando para elas acontecerem, ou somos só daqueles que está sentado em uma poltrona com a boca escancarada cheia de dentes esperando a “morte” chegar? Quantos de nós estamos realmente fazendo a nossa parte? Quantos de nós estamos usando os nossos “talentos” e colocando as mãos na charrua para assumir a nossa missão? Missão de todos nós...
Até parece que Mahatma Gandhi já estava prevendo ao imortalizar as frases: “Sejamos a mudança que queremos no mundo", pois “O futuro dependerá daquilo que fazemos no presente”. O foco deve estar voltado para dentro, e não para fora, pois, se almejamos alguma mudança, então que esta desperte primeiramente em nós.
Quando descobrirmos que temos o poder de escolha e que somente de mãos unidas faremos a diferença para um futuro melhor, então compreenderemos a grandeza das palavras do Cristo quando nos disse... “Conheceis a Verdade e esta Vos Libertará”. Façamos a nossa parte, porém assumindo o nosso papel de colaborador da sociedade e não transferindo o direito de educar e prevenir para fora de nós.
Deixo aqui para nossa reflexão a feliz frase que Raul Teixeira dá em resposta a uma entrevista durante o 3º Congresso Espírita Brasileiro realizado em Abril de 2010... “Não se terá jamais bom político, enquanto não se tiver boa criatura. De modo que é muito importante para a Doutrina Espírita o trabalho da educação ética desde criança, desde as fases iniciais da criatura.” E completa Divaldo Pereira Franco “A nova ética, é a mesma ética de Jesus Cristo, a ética do amor, do respeito pela vida, do respeito por si mesmo e pela natureza.”



Muita paz a todos.
José Antonio da Cruz. Catanduva, 25-09-2010


Referências:
Pitágoras - http://pt.wikipedia.org/wiki/Pit%C3%A1goras
Mahatma Gandhi - http://pt.wikipedia.org/wiki/Mahatma_Gandhi
Jesus – http://pt.wikipedia.org/wiki/Jesus
Evangelho de João – Cap. 8, v. 32 a 33
Raul Teixeira - http://www.raulteixeira.com/biografia.php
Divaldo Pereira Franco - http://www.divaldofranco.com/biografia.php

24 de set de 2010

PRESENTES



Presente de um presente...


Ao olhar este título o amigo leitor poderá se questionar qual a relação de presentes com o objetivo deste blog. Pois é meu amigo, tem muita relação se você olhar um presente sem os olhos do materialismo...

Ganhar presentes é sempre muito bom. No meu caso, dar presentes também é muito bom...eu, particularmente, fico muito feliz quando ganho, mas fico mais feliz ainda de presentar alguém...Um perfume, uma jóia, uma roupa, um chocolate...ahhh são tantas coisas que podemos presentear e ser presenteados né...

Mas aqui eu não quero falar sobre estes "tipos" de presentes. Aqui eu quero falar sobre presentes bem mais profundos e essenciais na nossa vida...Considere o nosso primeiro presente o dom da vida e agradeça ao Mestre pela oportunidade de estarmos aqui. Em seguida, agradeça a Ele pela família que nos acolhe, pelo emprego que nos sustenta, pela casa que nos abriga. Agradeça, inclusive, pela comida e pela água que sustentam nosso corpo material. Agradeça a Ele pelo corpo perfeito, e pelo imperfeito também. Agradeça as dificuldades, os presentes mais amargos talvez, mas também os mais frutíferos. Ahhh, são tantas coisas que devemos agradecer por sermos presenteados diariamente pela Sabedoria Divina...

Mas não se esqueça, de forma alguma e em tempo algum, de agradecer a Ele por ter dado, junto de todos esses presentes, os seus amigos...aqueles seres que acima e antes de qualquer coisa são seus amigos. Aqui, estou falando de amigos da alma, aqueles que realmente se gostam. Aqueles que sentem  como estamos com um simples "oi". Aqueles que por mais cansados que estão têm tempo para ouvir as nossas chatices. Aqueles que não precisam dizer nada, pois um simples abraço diz tudo. Aqueles que se lembram de perguntar "como vc está?" ou "vc esta precisando de alguma coisa"? Aqueles que deixam de fazer algo por si, para fazer pelo outro. Aquele que ri junto, chora junto, levanta junto, aprende junto. Aquele que você sente saudades quando esta longe e sente que o tempo paralisa quando esta perto. Aquele que ajuda a enfrentar os bloqueios e enxergar um novo futuro. Aquele que manda uma flor por sentir, à distância, que tudo que você precisava naquele exato momento era uma demonstração de  amizade, de carinho, de atenção, de amor, de confiança...

A flor no início deste post foi um presente de um amigo. Foi a flor mais bela que eu já ganhei, pois foi a flor dada com a maior sinceridade que eu já pude sentir. Foi a flor mais cheirosa, pois ela passou pelos jardins do coração. Foi a flor mais iluminada, pois ela foi regada pela luz do amor. Foi a flor mais colorida, pois ela germinou com boas vibrações. Foi o presente mais lindo que já ganhei...pois foi o mais simples, o mais fácil, o mais humilde, o mais comovente, o mais generoso, o mais sincero...Esta flor foi um presente de um presente.

Sabe meus amigos, muitas vezes passamos muito tempo nos focando nas coisas que não temos, que não podemos ter e que vivemos em busca e acabamos por nos esquecer de valorizar uma amizade, algo tão importante e essencial nas nossas vidas.

E nos esquecemos também de valorizar os pequeninos presentes de todos os dias...o ar que respiramos, o sol que ilumina a nossa manha, o vento que balança nossos cabelos, o pássaro que enche nossos ouvidos com belas melodias, o cachorro que nos sorri carinhosamente, a lua que nos faz sonhar...e uma flor que exala compaixão.

São todos estes presentes, juntos, que tornam nossas vidas melhores. São todos estes presentes que nos fazem caminhar e nos dão força para lutar. São presentes deste tipo que nos fazem crer que a vida realmente vale a pena. São presentes de presentes que nos fazem voltar a sorrir e a acreditar no ser humano...

Ao meu amigo Zé, meu muito obrigado pelo lindo presente. Primeiro, pelo presente da sua amizade e, segundo, por esta flor tão linda. As palavras têm poder sim, eu acredito muito nisso, mas um presente "deste tipo" tem muito mais. Assim como as palavras, uma imagem, melhor ainda se for em forma de presente, também pode tocar um coração, também pode mostrar um novo caminho. E foi exatamente isso que aconteceu com o seu presente...Que Deus te ilumine hoje e sempre. Obrigada pela sincera amizade e por ser um presente constante nos meus dias...

ANGEL - SARAH MCLACHLAN

19 de set de 2010

NUM FINAL DE RELACIONAMENTO, A MELHOR FORMA DE DEFESA NÃO É O ATAQUE!

No post anterior eu coloquei uma mensagem linda (ao meus ver) sobre lesões afetivas. Hoje quero escrever um pouquinho de um tema relacionado a este assunto sobre a minha ótica...

Nenhum final de relacionamento é fácil. Seja o relacionamento de um dia, seja de um mês, seja de 10 anos. E na maior parte das vezes o que observamos são os ataques constantes um contra o outro. É a ciclana falando que o fulano fez isso, aquilo, aquilo e aquilo outro. É o fulano falando que a ciclana fez isso, aquilo, aquilo e mais aquilo outro. E também ambos deixaram de fazer algo. Destaca-se somente os problemas e os defeitos de cada um e do relacionamento. E a cada ataque um novo ataque disfarçado de defesa.

Englobariamos aqui os ataques, e defesas, através de palavras, atitudes, pensamentos e sentimentos, sendo que todos, invariavelmente, se encaixam na corrente de más vibrações...

Para tanto, colocamos uma situação hipotetica: Maria namorou João e depois de algum tempo viu que não deu certo e se separaram. Isso é absolutamente normal nos dias hoje, apesar de eu não considerar isso uma coisa boa (como está escrito no post anterior, não comece um relacionamento a dois se você não tem a intenção de continuar). Até então, era meu amor para cá, meu benzinho para lá, te gosto daqui, te quero para lá. Mas foi só a "coisa" terminar que tudo mudou...e aquela sintonia e aquela troca de bons fluidos evapora.

E o meu amor se torna a galinha. E o benzinho se torna o canalha. E o eu te gosto e te quero, se tornam suma da minha vida!E começa o ataque de um lado, ataque do outro, ataque novamente e assim sucessivamente até que...até que um dos dois desista, até que um dos dois cometa um ato mais sério, até que um consiga destruir a vida do outro e assim por muitos e muitos fatos. E ambos dizendo que estão apenas de defendendo...

Agora vejamos por outro lado, mais dificil, sem dúvida nenhuma, mas bem menos doloroso para ambos...Se o benzinho te chamou de galinha, procure entender os motivos dele ter pensado isso de você. Talvez a magoa dele de nao estar com você seja tanta, que a única forma de expressar isso é falando tal palavra. Se o amor te chamou de canalha, perdoe-a, pois talvez ela possa ter visto um sonho se desmorar e não sabe ter outra atitude a não ser xingar...

Mas, se cada qual fizer o mínimo para não atacar o outro, por maior que seja a dor, por maior que seja a mágoa, por maior que seja a raiva, por maior que seja a desilusão, estaremos dando um grande passo na nossa própria evolução. A Lei de talião (olho por olho, dente por dente) pregada por Moisés (diga-se de passagem que para dominar seres humanos mais ignorantes) já não existe mais e o que Jesus prega é que amemos uns aos outros como a nós mesmos...e eu acrescento: respeitemos uns aos outros como a  nós mesmos.

Se num final de relacionamento cada qual tiver resignação e souber aprender com a própria dor e a situação em si, sem agredir e nem maldizer seu antigo parceiro, estaremos  seguindo os ensinamentos de Jesus e estaremos, com toda certeza desse mundo, numa paz relativa e inabalável. Procure guardar as coisas de bom que aconteceram entre o casal. Guarde os momentos de alegria e prazer, guarde os bons carinhos, guarde as palavras bonitas...e jogue no lixo o que é do lixo!

Lembre-se sempre, cada qual enxerga com os olhos que tem. Cada qual faz exatamente aquilo que tem condições de fazer, nem mais e nem menos. Cada qual se encontra num nível de evolução diferente. Respeitemo-nos e coloquemos a paciencia e a tolerância em nossa vida...

Como eu costumo dizer, se você não é capaz de ajudar uma pessoa, seja com boas palavras, seja com uma atitude ou com um simples pensamento positivo, não contribua mais para que ela caia. Não seja co-autor da infelicidade de ninguém.

E só para finalizar, ninguém precisa saber o porque de um fim de relacionamento. Tantos por quês são desnecessários, pois ninguém nunca vai achar um porque real e justo. Se alguém lhe perguntar simplesmente responda que "não deu certo", pois ninguém precisa saber as qualidades e os defeitos, vistos unicamente pela sua ótica, da outra pessoa...ninguém precisa denegrir a imagem de ninguém para se tornar superior. Se acabou, este fato interessa unica e exclusivamente ao casal. E ponto!

"Não espere uma atitude positiva para mandar boas vibrações para outra pessoa. Faça a sua parte sem esperar nada em troca!"

15 de set de 2010

LESÕES AFETIVAS

Um tipo de auxílio raramente lembrado: o respeito que devemos uns aos outros na vida particular.

Caro é o preço que pagamos pelas lesões afetivas que provocamos nos outros.

Nas ocorrências da Terra de hoje, quando se escreve e se fala tanto, em torno do amor livre e de sexo liberado, muitos poucos são os companheiros encarnados que meditam nas consequencias amargas dos votos não cumpridos.

Se habitas um corpo masculino, conforme as tarefas que te foram assinaladas, se encontraste essa ou aquela irmã que se te afinou com o modo de ser, não lhe desarticules os sentimentos, a pretexto de amá-la, se não está em condição de cumprir a própria palavra, no que tange a promessas de amor. E se moras presentemente num corpo feminino se surpreendeste esse ou aquele irmão que se harmonizou com as tuas preferências, não lhe pertubes a sensibilidade sob a desculpa de desejar-lhe a proteção, caso não estejas na posição de quem desfruta a possibilidade de honorificar os próprios compromissos.

NÃO COMECE UM ROMANCE DE CARINHO A DOIS, QUANDO NÃO POSSAS E NEM QUEIRAS MANTER-LHE A CONTINUIDADE.

O amor, sem dúvida, é lei da vida, mas não nos será lícito esquecer os suicídios e homicídios, os abortos e crimes na sombra, as retaliações e as injúrias que dilapidam ou abrasam a existência das vítimas, espoliadas do afeto que lhes nutria as forças, cujas lágrimas e aflições clamam, perante a Divina Justiça, porque ninguém no mundo pode medir a resistência de um coração quando abandonado por outro e nem sabe a qualidade das reações que virão daqueles que enlouquecem, na dor da afeição incompreendida, quando isso acontece por nossa causa.

Certamente que muitos desses delitos não estão catalogados nos estatutos da sociedade humana; entretanto, não passam despercebidos nas Leis de Deus que nos exigem, quando na condição de responsáveis, o resgaste justo.

Tangendo este assunto, lembramo-nos automaticamente de Jesus, perante a multidão e a mulher sofredora, quando afirmou, peremptório: "aquele que estiver isento de culpa, atire a primeira pedra".

Todos nós, os espíritos vinculados à evolução da Terra, estamos altamente compromissados em matéria de amor e sexo, e, em matéria de amor e sexo irresponsáveis, não podemos estranhar os estudos respeitáveis nesse sentido, porque, um dia, todos seremos chamados a examinar semelhantes realidades, especialmente as que se relacionem conosco, que podem efetivamente ser muito amargs, mas que devem ser ditas.