24 de dez de 2011

MENSAGEM DE NATAL - ABRA O CORAÇÃO


O meu desejo para este Natal é que vocês, meus irmãos de jornada, possam abrir os vossos corações para todas as maravilhas da natureza: o calor do sol, o brilho da lua e das estrelas, o vento, os pingos da chuva, as plantas, o carinho dos animais... Abrir vossos corações para o próximo: escute um irmão em desespero, ofereça um abraço na desesperança, sorria para quem chora, perdoe as falhas alheias, compreenda mais as diferenças, dê uma palavra amiga, dedique mais tempo aos necessitados, pratique a caridade material e moral... Abrir vossos corações para si: ame-se mais, perdoe-se mais, aceite-se mais, cuide-se mais, valorize-se mais, creia mais em seus potenciais... Abrir vossos corações para Deus: tenha fé Nele, aceite com resignação Seus planos, confie Nele, aprenda com Ele, dedique-se a Ele, ame-O incondicionalmente... Abrir vossos corações para a vida: pelo o ar que respira, pelo corpo que tens, pelas faculdades mentais, pela possibilidade de sentir, pelo emprego que lhe dá o sustento necessário, pela família que tens, pela casa que habitas, pelos amigos e ditos inimigos que o rodeiam...

Neste Natal e para o próximo ano desejo aos meus irmãos de jornada terrena que simplesmente abram mais os vossos corações para a vida e para Deus, deixando de lado todo orgulho, egoismo, raiva, rancor, ódio, vingança, desprezo, inveja. Tudo neste plano passa, todas as coisas materiais se findarão, e restará tudo que você cultivou neste plano: todo o bem que você espalhou por onde passou; os sorrisos que você despertou e as lágrimas que você secou; as famílias que você ajudou a unir, as crianças que você não deixou passar fome e os idosos que você não deixou na solidão; a gratidão dos animais que você resgatou, deu abrigo, comida e uma vida digna... Não levamos nada desse mundo além do que cultivamos e esplhamos por meio das nossas atitudes, pensamentos e sentimentos; coisas estas que devem sempre estar baseadas no perdão, na solidariedade, na compaixão, na caridade, na honestidade, na sinceridade, no companheirismo, na amizade, no amor! Muita paz, amor, saúde, união nesta data tão especial. Que Jesus possa habitar sempre os vossos corações, fazendo de cada um instrumento de seus ensinamentos! FELIZ NATAL E UM ANO NOVO ILUMINADO!
VIVIANE VASQUES
24-12-2011

19 de dez de 2011

A MÃO DE DEUS

Vemos a Mão de Deus em nossas vidas do acordar ao anoitecer. Vemos as Mãos de Deus agindo na natureza e no homem. Vemos a Mão de Deus na pobreza e na riqueza. Em tudo Ela se encontra e em tudo Ela toca! Ela esta presente no sol que brilha no início de mais um dia e na lua resplandecente da madrugada. Está presente naquele ser humilde que sem espaço para si abriga um companheiro de jornada em seu lar. Está no cobertor oferecido pelo rico ao pobre nos dias de frio. Está em todas as classes sociais, em todos os templos religiosos, em todos os lares, em todas as ruas, em todos os espaços e tempos visíveis e invisíveis.

No entanto, com toda sua supremacia, Deus utiliza Sua Mão de forma sutil, despretensiosa, chegando a ser, inúmeras vezes, imperceptível. Ele é sublime e seu toque é doce. Ele é calmo e seu toque chega de mansinho. Ele é bondoso e seu acalento chega na necessidade. Ele é único; e Sua Mão é única; e o que Ela proporciona é único!

Ele tem o poder de transformar nossas vidas através da Sua Mão. É Ela que possibilita as nossas vivências, é Ela que nos segura nas dificuldades, é Ela que nos aconchega no sofrimento, é Ela que nos acalma no desespero, é Ela que seca as nossas lágrimas. É a Mão de Deus em nossa vida que nos traz a felicidade relativa a este mundo, é Ela que abre novos horizontes e fecha as portas dos erros do passado, é Ela que mostra o caminho da caridade e do amor.

Perceba Ela agindo em sua vida. Veja Sua Mão tocando cada atitude, cada pensamento, cada sentimento seu em relação a si e ao outro. Observe mais detidamente a Mão de Deus penetrando na sua vida, no seu lar, na sua família, no seu emprego, na sua saúde, nos seus relacionamentos. Veja, observe, perceba, sensibilize-se e agradeça a Mão do Criador guiando os seus passos, te segurando em cada queda e sorrindo a cada conquista.

Ela não erra, nunca! Ela não ofende e nem maltrata! Ela não fere! Ela não se vinga! Ela não pratica o mal! Ela não sente inveja, orgulho, egoísmo, vaidade! Ela sabe compartilhar! Ela sabe unir! Ela sabe amparar! Ela sabe compreender e perdoar! Ela sabe praticar a caridade! Ela sabe amar!

Segure nesta Mão e sinta a sua vida modificar-se. Segure, o mais forte possível, e não a solte nunca. Segure na Mão de Deus, e vai. Não tema, segue adiante e não olhe para trás. Aconteça o que acontecer, veja Ela, somente Ela, agindo na sua vida. Ela só age no bem e para o nosso próprio bem, portanto, é a única fonte segura. É a Mão de Deus que estará sempre a seguir a humanidade.

VIVIANE VASQUES
09-12-2011


8 de dez de 2011

RESPONSABILIDADE AFETIVA

Julgo necessário esclarecer que o termo “responsabilidade afetiva” não é meu. Certa vez o ouvi e este não saiu mais da minha cabeça, sendo que reapareceu fortemente ao ler e compreender o texto de Arnaldo Jabor, inserido anteriormente.

Compreendendo os termos da nossa temática separadamente, responsabilidade é determinar a própria vontade e ações, enquanto afetividade é a qualidade ou caráter de ser afetivo, ou seja, de exercer o amor. O significado de tais termos, embora retirados do dicionário Aurélio, estão interpretados de forma sucinta e coerentes com os nossos objetivos.

Partindo daí, apontamos como primeira vontade de exercer o amor, ou seja, de aprendermos a ter reponsabilidade afetiva, conosco mesmos. Sim, pois ninguém pode dar aquilo que não tem e, se eu não sou capaz de exercer o amor com o meu próprio ser, como serei capaz de expandir isso ao outro. É o amar a si mesmo, sem orgulho, sem pretensão, sem egoísmo, sem vaidades. É o aprender o que é bom para si mesmo e praticar tal ação diariamente. É determinar, e através da força de vontade, lutar por aquilo que considero bom e saudável para o meu próprio ser.

Quando aprendemos e determinamos o que realmente queremos e como queremos, teremos o mínimo de condições de expandir isso ao próximo. No entanto, abre-se um parênteses, pois este processo de conhecer a si mesmo e, baseado nisso determinar as suas ações, pensamentos e sentimentos, não acontece do dia para a noite e não se finda em alguns dias, meses ou anos.  Este é um processo de Reforma Intima que dura por toda eternidade e que com toda certeza não será nada fácil. Obstáculos vão parecer, dificuldades haverão de surgir, decepções nos pegarão no caminho, tristezas nos arrebatarão. Mas, se a base é a – força de - vontade de exercer o amor, tais fatos somente servirão como trampolins para saltos mais altos da evolução.

Ao iniciarmos este processo de amadurecimento do nosso ser seremos capazes também de perceber o quão vazia é nossa vida quando nos propomos a isso. Falamos de amadurecimento psicológico e emocional, que são um dos princípios para conseguirmos olharmos para dentro de si e percebermos de que necessitamos nos conhecer e conhecer o outro para praticar a vontade de exercer o amor.

Retomo as palavras de Arnaldo Jabor quando ele diz que as pessoas hoje em dia querem “oba-oba”. Muito bom isso, né? Não, não é! Hoje eu saio com determinada pessoa, pois no dia de hoje eu só quero falar besteira e ela é adequada para isso. Amanhã, está pessoa não me serve mais, porque eu preciso de carinho, mas ela não supri isso, então, vou buscar em outra. E, no próximo dia, eu preciso de sexo selvagem, e nenhuma das duas me proporciona isso, então, o ideal sou eu buscar outra. E assim sucessivamente, até que um dia, pelo menos é isso que se espera, despertemos para a realidade e consigamos perceber que não podemos ter tudo isso exatamente da nossa forma num único ser, mas que podemos ter tudo isso de formas diferentes da nossa num único ser. E isso, sim, é muito bom!

É, e falamos, então, da reponsabilidade afetiva em relação ao outro. Já percebeu o vazio que sentimos quando nossa vida baseia-se nesse vai e vem de pessoas diferentes? Temos tudo, e não temos nada! Temos todas, mas não temos nenhuma! Não temos ninguém para chamar de meu amor, para dar risadas juntos, para passear de mãos dadas, para dormir abraçadinho, para falar bobagens sem receios... Porque, no final de tudo, somos nós com nós mesmos, com a nossa insatisfação, com o nosso vazio, com o nosso egoísmo de não querermos repartir a nossa vida com o outro. Reponsabilidade afetiva é mudar esse quadro, assumirmos que necessitamos sim de afeto, de carinho e de amor; que necessitamos sim amar e sermos amados, mas que para que isso ocorra necessitamos exercitar essa vontade de amar.

Essa vontade, junto com o querer, é quem impulsiona todo este processo. Se eu quero, eu tenho força de vontade. E se eu tenho força de vontade, eu luto, eu batalho, eu corro atrás e alcanço meu objetivo final, que no nosso caso é o amor, o relacionamento homem-mulher. Ah, mas isso envolve riscos: o risco de perder, o risco de errar, o risco de cair, o risco de parecer otário, e tantos outros. Ah, mas isso envolve compromisso: o compromisso com a nossa consciência, com o nosso eu interior, com as nossas metas e objetivos, com o outro, e tantos outros. Ah, mas isso envolve muito mais: trocas, fidelidade, lealdade, companheirismo, sinceridade, honestidade. E envolve duas importantes coisas que o ser humano ainda não sabe lidar: entrega e renuncia.

Ser responsável afetivamente, quando falamos no envolvimento com o outro, necessita da entrega a este ser, ao que ele é, ao que ele pode lhe oferecer, ao que ele proporciona de bom – e de ruim também, pois ninguém é perfeito -, ao que nós sentimos em relação a ele e ao relacionamento. Envolve renuncia, porque para conviver harmoniosamente com o outro, eu preciso abrir mão de aspectos da minha vida para favorecer este relacionamento com o outro. Não é deixar de sermos nós ou deixar de fazermos o que gostamos, mas é se entregar ao relacionamento de corpo, alma e coração, sem medo do futuro e encarando todos os pormenores que virão.

Aí chegamos ao ponto chave da reponsabilidade afetiva e que todos querem escapar: mas, eu vou deixar de pegar todas? É... vai! Mas, eu vou deixar de sair todas as sextas, sábados e domingos para a balada com os meus amigos? É... vai! Mas, eu vou ter que ser fiel, honesto e estar sempre presente? É...vai! Mas, mas, mas, mas, e então se chega à conclusão que é muito difícil essa “coisa” de assumir-se responsável afetivamente e que é melhor continuar sozinho mesmo, pois ainda temos muito o que viver, o que curtir, o que conhecer, antes de se prender a alguém; como se estar envolvido na responsabilidade afetiva significasse isso.

E ninguém se pergunta: mas, nos dias que eu não estiver muito bem de saúde, eu vou ter alguém para me levar café da manha na cama? É... vai! Mas, e quando meu chefe me desvalorizar dizendo desaforos, eu vou ter alguém para me ouvir sem me censurar? É... vai! Mas, e quando eu quiser não fazer nada, só ficar deitado quieto recebendo cafuné, eu vou ter isso sem ouvir xingos de que eu não estou “comparecendo”? É... vai! Mas, e quando eu não quiser fazer absolutamente nada, nem conversar, nem comer, nem nada, eu vou ter alguém que vai simplesmente me compreender por eu não ter tido um dia bom? É... vai! Mas, e quando eu estiver muito, muito, muito mal e não estiver dando nada certo na minha vida, será que mesmo assim, eu ainda vou ouvir eu te amo? É... vai! Porque isso é responsabilidade afetiva e compromisso afetivo, consigo e com o outro!

Irreal? Ilusório? Inviável? Impossível? Eu não acho nem irreal, nem ilusório, nem inviável e menos ainda impossível, porque eu acredito no amor! Apenas acho que um relacionamento baseado na responsabilidade afetiva exige mais dedicação de ambas as partes, ou de uma única parte que encare isso como algo a seguir independente do outro, pois já compreendeu o processo de determinar o amar como uma ação diária em sua vida. Não espere por um relacionamento perfeito ou um encontro de almas gêmeas, pois isto é raro. Espere por algo que você tenha condições efetivas de realizar, talvez até precise de ajuda, mas que desperte a alavanca propulsora: a força de vontade!

Assim, compreendemos que a responsabilidade afetiva começa por nós mesmos e ao amadurecermos somos capazes de estendê-la ao outro num relacionamento amoroso. O primeiro passo é determinar a minha ação e o segundo colocar o exercício do amor nesta ação. Coloquemos isso na nossa vida como prioridade e conseguiremos passar por todas as mazelas que um relacionamento traz, mas, também conseguiremos viver todas as maravilhas e encantos de um relacionamento baseado na responsabilidade afetiva.

Viviane Vasques
05-12-2011


2 de dez de 2011

ESTAMOS COM FOME DE AMOR


O que temos visto por ai ??? Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros e transparentes. Com suas danças e poses em closes ginecológicos, cada vez mais siliconadas, corpos esculpidos por cirurgias plasticas, como se fossem ao supermercado e pedissem o corte como se quer mas... chegam sozinhas e saem sozinhas...

Empresários, advogados, engenheiros, analistas, e outros mais que estudaram, estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e, sozinhos...

Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes, os novíssimos "personal dancer", incrível.

E não é só sexo não! Se fosse, era resolvido fácil, alguém tem dúvida? Sexo se encontra nos classificados, nas esquinas, em qualquer lugar, mas apenas sexo!

Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e receber carinho, sem necessariamente, ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico na cama ... sexo de academia . . .

Fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão "apenas" dormir abraçadinhos, sem se preocuparem com as posições cabalisticas...

Sabe essas coisas simples, que perdemos nessa marcha de uma evolução cega.

Pode fazer tudo, desde que não interrompa a carreira, a produção...

Tornamo-nos máquinas, e agora estamos desesperados por não saber como voltar a "sentir", só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão distante de nós...

Quem duvida do que estou dizendo, dá uma olhada nos sites de relacionamentos "ORKUT", "PAR-PERFEITO" e tantos outros, veja o número de comunidades como: "Quero um amor pra vida toda!", "Eu sou pra casar!" até a desesperançada "Nasci pra viver sozinho!"

Unindo milhares, ou melhor, milhões de solitários, em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos, plásticos, quase etéreos e inacessíveis, se olharmos as fotos de antigamente, pode ter certeza de que não são as mesmas pessoas, mulheres lindas se plastificando, se mutilando em nome da tal "beleza"...

Vivemos cada vez mais tempo, retardamos o envelhecimento, e percebemos a cada dia mulheres e homens com cara de bonecas, sem rugas, sorriso preso e cada vez mais sozinhos...

Sei que estou parecendo o solteirão infeliz, mas pelo contrário...

Pra chegar a escrever essas bobagens (mais que verdadeiras) é preciso ter a coragem de encarar os fantasmas de frente e aceitar essa verdade de cara limpa...

Todo mundo quer ter alguém ao seu lado, mas hoje em dia isso é julgado como feio, démodê, brega, familias preconceituosas... Alô gente!!! Felicidade, amor, todas essas emoções fazem-nos parecer ridículos, abobalhados...

Mas e daí? Seja ridículo, mas seja feliz e não seja frustrado... "Pague mico", saia gritando e falando o que sente, demonstre amor... Você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta mais...

Perceba aquela pessoa que passou hoje por você na rua, talvez nunca mais volte a vê-la, ou talvez a pessoa que nada tem a ver com o que imaginou mas que pode ser a mulher da sua vida...

E, quem sabe ali estivesse a oportunidade de um sorriso a dois...

Quem disse que ser adulto é ser ranzinza ?

Um ditado tibetano diz: "Se um problema é grande demais, não pense nele... E, se ele é pequeno demais, pra quê pensar nele?"

Dá pra ser um homem de negócios e tomar iogurte com o dedo, assistir desenho animado, rir de bobagens e ou ser um profissional de sucesso, que adora rir de si mesmo por ser estabanado...

O que realmente não dá é para continuarmos achando que viver é out... ou in... Que o vento não pode desmanchar o nosso cabelo, que temos que querer a nossa mulher 24 horas maquiada, e que ela tenha que ter o corpo das frutas tão em moda, na TV, e também na playboy e nos banheiros, eu duvido que nós homens queiramos uma mulher assim para viver ao nosso lado, para ser a mãe dos nossos filhos, gostamos sim de olhar, e imaginar a gostosa, mas é só isso, as mulheres inteligentes entendem e compreendem isso.

Queira do seu lado a mulher inteligente: "Vamos ter bons e maus momentos e uma hora ou outra, um dos dois, ou quem sabe os dois, vão querer pular fora, mas se eu não pedir que fique comigo, tenho certeza de que vou me arrepender pelo resto da vida"...

Porque ter medo de dizer isso, porque ter medo de dizer: "amo você", "fica comigo", então não se importe com a opinião dos outros, seja feliz!

Antes ser idiota para as pessoas que infeliz para si mesmo!

Arnaldo Jabor

25 de nov de 2011

O EXERCÍCIO DO OUTRO

Um sujeito encontra um velho amigo - que vive tentando acertar na vida, sem resultado. "Vou ter que dar uns trocados para ele", pensa. Acontece que, naquela noite, descobre que seu velho amigo está rico, e veio pagar todas as dívidas que havia contraído no decorrer dos anos.

Vão ate um bar que costumavam frequentar juntos, e ele paga a bebida de todos. Quando lhe indagam a razão de tanto êxito, responde que até dias atrás estava vivendo o outro.

- O que é o outro? - perguntam.

- O outro é aquele que me ensinaram a ser, mais que não sou eu. O Outro acredita que a abrigação do homem é passar a vida inteira pensando em como juntar dinheiro para não morrer de fome quando ficar velho. Tanto pensa, e tanto faz planos, que só descobre que está vivendo quando seus dias na terra estão quase terminando. Mas aí é tarde demais.

- E você, quem é?

- Eu sou o que qualquer um de nós é, se escutar seu coração. Uma pessoa que se deslumbra diante do mistério da vida, que está aberta aos milagres, que sente alegria e estusiasmo pelo que faz. Só que o Outro, com medo de decepcionar-se, não me deixava agir.

- Mais existe sofrimento - dizem as pessoas no bar.

- Existem derrotas. Mas ninguém escapa delas. Por isso, é melhor perder alguns combates na luta por seus sonhos que ser derrotado sem sequer saber por que você está lutando.

- Só isto? - perguntam as pessoas no bar.

- Sim. Quando descobri isto, acordei decidido a ser o que realmente sempre desejei. O Outro ficou ali, no meu quarto, me olhando, mas não o deixei mais entrar - embora tenha procurado me assustar algumas vezes, me alertando para os riscos de não pensar no futuro.

"A partir do momento em que expulsei o Outro da minha vida, a energia Divina operou seus milagres."

FONTE: Na margem do rio Piedra eu sentei e chorei, de Paulo Coelho.

20 de out de 2011

NO DIA DE HOJE...




No dia de hoje, permita-me Senhor agradecer uma vez mais pela oportunidade de me comunicar contigo e senti-Lo em meu coração. Permita-me, óh Pai, agradecer-te por esta vida terrena, pelo ar que respiro, pelo vento que bate em meu rosto, pelo sol que ilumina a minha vida, pelas estrelas que encantam o meu olhar.

No dia de hoje quero agradecer pela sua infinita bondade de permitir que eu tenha oportunidades: de cair e de levantar, de errar e de acertar, de ferir e de curar, de falar e de ouvir, de ver e ser vista, de ajudar e ser ajudada, de doar e de receber, de rir e de chorar. Quero agradecer-Te por permitir que eu erre para que eu possa evoluir com estes erros e chegar à sua perfeição.

No dia de hoje quero também agradecer pelas oportunidades benditas de trabalho, de servir a Ti e de ser instrumento de Tuas vontades. Só tenho a lhe agradecer pelas almas perdidas que buscam socorro ao meu lado, pelas almas desesperadas que encontram abrigo nos meus braços, pelas almas infelizes que conseguem minutos de sossego com as minhas palavras, pelas almas tristonhas que se achegam no meu sorriso.

No dia de hoje, Senhor, quero agradecer-Te por todos aqueles que me ofendem, me desprezam, me humilham, me ignoram, me xingam, me criticam, me julgam, pois são eles as alavancas para a minha redenção e para a prática de teus ensinamentos.

No dia de hoje quero agradecer-Te por todas as conquistas, mas especialmente por todas as percas. Ganhar é muito bom, mas é perdendo que eu consigo visualizar o meu atual estado d´alma; é perdendo que o Senhor me permite enxergar meus defeitos; é perdendo que invariavelmente busco a Ti.

No dia de hoje quero agradecer a proteção que Tu envia até a mim. Proteção visível e invisível, proteção de homens e de animas, proteção da natureza. Devido ao meu orgulho e ignorância, nem sempre permito que elas cheguem até a mim, mas sei que, sempre que meu coração estiver aberto, elas surgirão e agirão.

No dia de hoje quero agradecer por todas as tempestades, chuvas, trovões, dias sombrios e tristes, pelos momentos de pura solidão e desespero. Quero agradecer demasiadamente por estes dias, porque foram neles que eu consegui me superar, consegui me ver interiormente, consegui perceber as minhas reais necessidades e consegui vencer o pior de todos os meus inimigos: a minha consciência!

No dia de hoje quero agradecê-Lo pelo pouco dinheiro que tenho, mas que é suficiente para que eu acaricie outros bolsos com pão, água, roupas, sapatos. É pouco Senhor, eu confesso, mas é este pouco que me ensina a viver com o necessário sem me perder no supérfluo.

No dia de hoje quero agradecer pelo meu corpo imperfeito; corpo este que não agrada muito os olhos humanos e que não tem formas esculturais, mas que me leva onde eu quero ir, que me permitir estar onde eu necessito, que me suporta nas inúmeras dores carnais.

No dia de hoje quero agradecer pelas roupas que me vestem e pelos sapatos que me calçam. Não estão todos na moda, nem são caros e de marcas, e nem são tantos assim. Mas, eles não permitem que meu corpo sinta frio ou calor ou que meus pés queimem no asfalto.

No dia de hoje quero agradecê-Lo pela minha humilde casa, que está com a pintura feia, que o piso está velho, que ficaria mais bonita com portas e janelas novas, mas que me abriga do sol, do vento, da chuva.

No dia de hoje quero agradecer a Ti, inclusive, pelos meus pais. Pais estes que inúmeras vezes me irritaram, foram contra, brigaram, me chatearam, pegaram no meu pé, foram chatos, mas que, na pior das hipóteses, permitiram que eu estivesse aqui hoje escrevendo, e isso basta. Pais estes que não deram tudo que eu quis, mas sim tudo de que eu precisava.

No dia de hoje quero agradecer pela profissão que tenho, que não satisfaz o meu bolso, mas satisfaz a minha alma. Agradecer por todas as vezes que eu precisei contar até um milhão diante de uma birra de criança, que precisei ignorar uma palavra feia, que corrigi uma agressão. São estas “criaturinhas" divinas que me ensinam a amar verdadeiramente, a perdoar integralmente e a se entregar invariavelmente.

No dia de hoje quero também assumir as minhas fraquezas e dizer a Ti meu Pai que sem você eu nada conseguirei, eu nada poderei, eu nada alcançarei. Dizer-Te da minha pequenez, da minha ignorância, das minhas falhas, dos meus defeitos, dos meus vícios. Dizer-Te do quanto eu erro comigo e com as pessoas, do quanto eu julgo. Eu assumo neste momento, Senhor, que eu não sou melhor do que ninguém, mas que com Você ao meu lado, eu poderei ser melhor comigo mesmo e com o mundo.

No dia de hoje quero lhe pedir Senhor: forças para continuar lutando nas provas que tenho vivido, sabedoria para continuar compreendendo as diferenças, fé para não me perder, esperança para não desistir, dignidade para não me deixar cair, perdão pelas falhas que cometo a todos os momentos. Peço que as Suas mãos cequem as minhas lágrimas e aliviem o meu cansaço. Mas peço, acima de tudo, amor, pois é ele que me guia, me orienta, me fortalece, me enriquece e é o mestre de todas as virtudes. É o amor, o Seu amor Senhor, que permite que eu não caia novamente nos vícios. É o Seu amor que me eleva. E é o Seu amor que vai permanecer em minha vida.

Já perdi muito tempo da minha vida esperando o momento certo de lhe dizer isso Senhor. Perdi tantas oportunidades reclamando, esbravejando, criticando... que hoje eu decidi por simplesmente dizer: OBRIGADA SENHOR! Tu sabes o que faz na minha vida, Tu sabes o que é melhor para mim, Tu sabes das minhas necessidades, Tu me conhece melhor do que ninguém... E eu aceito tudo que vem de Ti!

No dia de hoje, e se eu tiver força e perseverança, no dia de amanhã, e no depois, e no depois, eu só quero lhe agradecer por tudo que tenho, por tudo que sou, por tudo que estou!

E você, no dia de hoje já agradeceu a Deus por todas as maravilhas que Ele lhe dá constantemente ou ainda vai perder tempo questionando-O pelo o que você não tem?

VIVIANE VASQUES
12-10-2011

29 de set de 2011

FIM DOS TEMPOS

Muito temos ouvido que o mundo vai acabar. Cada um aponta formas diferentes, datas diferentes, lugares diferentes. A televisão, então, dedica atenção especial ao tema. O que as pessoas ainda não se deram conta é que este mundo já vem se acabando há tempos; há anos; há décadas. Observamos tal fato de diversas maneiras, em diversos meios sociais, englobando inúmeras faixas-etária, e ambos os sexos. Está em tudo e em todos os lugares, basta ter olhos de ver.

Depressão! Nunca presenciamos tantas pessoas buscando livros de autoajuda, médicos especialistas, remédios, terapias. Pessoas ainda jovens que não viveram nem metade das adversidades das que os nossos pais ou avós viveram, mas sentem profunda dificuldade em (sobre) viver. Pessoas que se entristecem simplesmente por não terem o corpo da Gisele, nem o dinheiro do Gates e nem o poder da Dilma.

Suicídio! Não está tudo perfeito? Não tenho o emprego que eu queria, não tenho todo dinheiro que almejo, não tenho o carro do ano, não tenho o namorado perfeito, não tenho, não tenho... Pronto, me mato e está tudo resolvido! E isso vem acontecendo cada vez mais cedo. Meninas de 15 anos que se matam porque o menino de 14 que ela ama não lhe dá atenção e meninos de 15 anos que se matam porque os pais não conseguem dar a roupa da moda que seus amigos usam e ele quer.

Drogas! Elas sempre existiram e isso é fato! Mas ela nunca foi tão usada, tão divulgada, tão propagada. Assim como o suicídio, se não está tudo perfeito, usa drogas para esquecer a vida. Se estiver tudo maravilhoso, também usa drogas para comemorar. Se tiver ou não tiver motivos, usamos drogas. E crescem as clínicas de reabilitação; e cresce o número de overdoses; e cresce a quantidade de famílias em desespero; e cresce um mal ainda sem limites.

Limites! Perdemos a noção do que é ter limites. Desde cedo damos tudo aos nossos filhos e não ensinamos a eles que, mesmo que tenhamos, não é tudo que devemos dar, pois a vida nos diz muitos nãos. E crescemos sem ensiná-los e sem conhecer os nossos próprios limites e os dos outros. Não conseguimos compreender onde termina o nosso espaço e começa o dos outros. Não respeitamos mais o nosso próprio corpo, nossa mente e nosso coração. Não somos capazes nem ao menos de refletir sobre a nossa falta de limite conosco e com o mundo.

Educação! Hoje educar os nossos filhos é dar tudo que eles querem, pois senão eles fazem birra, choram ou ameaçam se matar. Fora que se inverteram os papéis, pois hoje cabe à escola educar os sujeitos. Cabe à escola ensinar os conteúdos curriculares, os valores morais e espirituais, observar as dificuldades de aprendizagem e de convivência, resolver os conflitos, enfim, aos pais cabe pegá-los no final do dia após 10 horas na instituição e, sem generalizar, reclamar do que a escola não fez pelos seus filhos. E colocar a culpa nela pelas coisas de ruim e de mal que acontece.

Família! Instituição completamente desestruturada e muitas sem papéis definidos. É a irmã mais velha casada com o primo de segundo grau que cuida do irmão mais novo. É a avó que cuida da neta que é filha da terceira mulher do filho dela. Não se respeita mais esse núcleo, os laços criados e gerados. Tudo é motivo de separação! As famílias não tentam mais se manter unidas, não tentam se compreender, se amar, se aceitar, se ajudarem mutuamente. E isso vale para pais e filhos: pais que não se suportam, filhos que agridem os pais, pais que espancam seus filhos. E isso tudo se reflete nos jovens, que cada vez menos querem formar a sua própria família. E isso reflete na sociedade.

Relacionamentos! Pergunto-me todos os dias: o que é um relacionamento amoroso nos dias atuais? Acabou romantismo, carinhos, companheirismo, lealdade, fidelidade, compromisso, trocas, afeto, amor. Isso tudo está completamente fora de moda! As pessoas não querem mais envolver-se e entregar-se, pois isso fere, machuca, exige renuncias e mudanças. E é muito mais fácil sair hoje com alguém, matar a carência afetiva e sexual, e continuar a vida do jeito que estava (uma dor de cabeça a menos) do que envolver-se e criar um vínculo com outro ser. Amizades só se forem de conveniência. Enquanto está servindo somos os melhores amigos, mas se não está servindo mais, descarta e pula para o próximo! Contamos nos dedos quantas pessoas realmente são nossas amigas e estão a todos os momentos do nosso lado. A palavra da vez em todos os relacionamentos é liberdade!

Tempo! Não temos tempo para mais nada. Essa é a nossa desculpa para nãos nos envolvermos com outros seres e assumir compromissos e responsabilidades. Não temos tempo para escutar um amigo que não está bem, não temos tempo para ir a um hospital levar um sorriso para tantos doentes, não temos tempo para cuidar do nosso espírito, não temos tempo para ler um bom livro, não temos tempo... Ou melhor, só temos tempo para as coisas que realmente nos interessa e que grande parte das vezes estão relacionadas ao ter, nunca ao ser.

Jesus! Falar de Jesus é dar a cara a tapa e ser motivo de chacota. Esquecemos dos principais ensinamentos do nosso Mestre: caridade, amor, perdão. Esquecemos de tudo que Ele ensinou através de suas atitudes. Esquecemos que Ele sim deve ser exemplo de condutas e comportamentos. Não nos permitimos sequer ter uma conversa honesta com Ele, pois nos dirigimos a Ele somente nas horas de dificuldades e grande parte das vezes para culpá-lo de nossas faltas e irresponsabilidades. Viver em Cristo hoje é estar fora de moda, é estar desatualizado das tendências mundiais, é ser brega e cafona.

Se continuarmos enumerando o fim dos tempos, teríamos não uma postagem num blog, mas um livro. São tantas mortes, tantos relacionamentos terminados, tantas doenças psicossomáticas, tanto desemprego, tantas falências, tanta solidão, tanta carência, tanta incompreensão, tanta busca por coisas que não se sabem nem o que são e para que são... É um vazio enorme na vida de todos! As pessoas perderam suas identidades e esqueceram o que realmente importa. E nós ainda estamos esperando o Armagedon acontecer em 2012! Que ilusão a nossa hein...

Ele realmente pode acontecer e eu acredito que vá acontecer! Não para destruir o mundo da forma como todos pregam e acreditam piamente, mas, para mais uma vez, chamar a atenção das pessoas para a necessidade de abrirmos nossas mentes, nossos corações e mudarmos o rumo das nossas vidas. Vivemos desenfreadamente buscando o material, o ter, o aparecer, o desfrutar. E vamos levar ele para algum lugar quando o fim do mundo realmente se concretizar? Vamos pegar nossa poupança e abrir um banco no céu? Vamos levar o nosso carro para podermos passear no paraíso (ou não, né?!)? Vamos levar conosco as bebidas e os cigarros cultivados nos bares da vida? Eu, particularmente, acredito que não!

Então, se o mundo acabar hoje, o que levaremos daqui? Levaremos os bens que fizemos aos outros. Levaremos o amor daquelas pessoas que nos dedicamos e se dedicaram a nós. Levaremos o sorriso daquele irmão que compartilhamos alguns minutos do nosso dia ouvindo-o. Levaremos o agradecimento de outro irmão que pôde evoluir junto conosco. Levaremos a alegria de ter dividido a nossa vida de forma integral com o mundo. Levaremos o brilho do sol e da lua que nós nos lembramos de agradecer todos os dias.  Levaremos o que fomos, o que cremos, o que vivemos, o que sentimos. É a nossa essência que irá conosco, não as nossas posses.

Tudo que está sendo construído externamente um dia acabará. Agora o que está sendo construído internamente com muito esforço, luta, força de vontade e perseverança, nem o tempo, nem as pessoas, nem chuvas, nem vendavais, nem tempestades, nem guerras, nem decepções, nem mortes, nem fim do mundo e nem nada são capazes de destruir.

É difícil? Sim! Exige muito de nós! Mas, é o único caminho e nunca é tarde para aprendê-lo! Nunca é tarde para aprender a perdoar, a se entregar, a amar. Nunca é tarde para renunciar, para compreender o próximo, para ser caridoso. Nunca é tarde para praticar a honestidade, a lealdade e o companheirismo. Nunca é tarde para ter fé, esperança e confiança em Deus. Nunca é tarde para evoluir, pois mesmo que não conseguirmos aprender agora, neste mundo e neste momento, sempre teremos novas chances de recomeçar e sempre contaremos com a presença de Deus em nossas vidas. Como diz nosso Chico Xavier, somos seres espirituais vivendo experiências carnais, e estas, mais cedo ou mais tarde, se findarão para voltar ao que realmente somos: sementes da Criação Divina! Portanto, criados para o bem e o amor! ISSO sim é inevitável...

VIVIANE VASQUES
22-09-2011

20 de set de 2011

ABRIGO ÍNTIMO

"Deus tem inúmeras formas de falar conosco. ELE demonstra a sua presença e nos fornece respostas às nossas inquietações de inúmeras formas: um sentimento bom, uma pessa que chega e nos acolhe, uma palavra que nos edifica, um gesto que nos levanta. Enfim, poderíamos ficar aqui o dia todo listando como Deus está presente em nossas vidas, mas, como somos ainda tão pequenos e tolos, teimamos em não notá-lo. Às vezes até achamos que cremos Nele, mas é só a tempestade chegar que já nos esquecemos. Ao ler está mensagem, obtive a resposta das diversas questões que tenho levado para Deus diante das situações que tenho vivido ultimamente. Esta mensagem veio como uma cachoeira que lavou a minha alma e me acordou para a vida. Pois é, eu ainda sou muito falha; ainda preciso praticar minha fé; ainda preciso acreditar mais nos planos divinos; ainda preciso aprender a confiar mais em mim. Mas, acima de qualquer coisa, eu ainda preciso aprender sentir a presença de Deus na minha vida e dentro de mim (e não nas coisas externas) e, a partir daí, construir o meu abrigo íntimo, o qual me protegerá de todas as chuvas, trovoadas, vendavais. Peça e obterais; busca e acharás; questione e aguarde, pois a resposta de nossas orações chegam, talvez não da forma como pedimos, mas com toda certeza da forma como necessitamos. Que esta mensagem possa auxiliar outros corações assim como auxiliou o meu!"




Pedes abrigo no tumulto que habitualmente aparece diante das grandes renovações. Entretanto, as possibilidades para o levantamento de semelhante refúgio estão em ti mesmo.

Rememora a proteção sob a qual vieste ao Plano Físico. De nada dispunhas, além do amor com que te acolheram, no entanto, não te faltou apoio para o crescimento nem luz bastante para que se te clareassem os pensamentos.

Relaciona os empréstimos da vida com que o mundo te vinculaste: oportunidades que te honraram; afetos que te surgiram; meios que obtiveste; lições que te enobreceram. Soma as bençãos que te enriquecem e pensa na aplicação respectiva que se te pede para a elevação do futuro.

Constrói, por dentro do próprio ser, o abrigo de entendimento que solicitas, no qual possas desfrutar segurança e irradiá-la de ti.

Agradece a tarefa que a vida te concebeu.

Trabalha confiando no êxito do bem.

Usa os patrimônios da vida sem desperdiçá-los.

Não retenhas vantagens com evidente prejuízo dos outros.

Se erraste, corrige-te sem precipitação em desespero.

Não admitas o fracasso por perda definitiva e sim por ensinamento necessário ao triunfo.

Aceita os outros como são sem violentar-lhes o modo de ser e sem permitir que te destruam as realizações e os ideais.

Segue o teu próprio caminho, compreendendo e amando sempre.

Assume as responsabilidades com que te deves conduzir, sem qualquer intromissão no comportamento alheio.

Participa da existência, ofertando as tuas atividades ao montante do benefício comum.

Não te retardas em sombras de ressentimento ou irritação, contra experiências de que ainda precisas.

Segue adiante, pensando no bem, falando no bem, agindo no bem e edificando para o bem, sem perder o tesouro das horas.

E suceda o que suceder, estarás em segurança, porque assim reconhecerás que a segurança inviolável em nós é a presença de Deus.

FONTE: Livro Busca e Acharás, de Francisco Cândido Xavier pelos Espíritos Emmanuel e André Luiz

3 de set de 2011

RENOVAÇÃO


Todos os dias milhares de pessoas entram e saem das nossas vidas por meio do nosso emprego, nossos estudos, nossos lazeres, nossas redes sociais, nossos centros religiosos, nossas amizades. Algumas chegam tão de mansinho que nem percebemos. Outras já chegam arrebatando nossas vidas e mostrando para que vieram. Às vezes chegam em tempos de campos floridos e sol radiante; às vezes em meio às chuvas e trovoadas. Mas, que elas chegam e, inevitavelmente, vão embora, isso é fato!

Um ser pode chegar nas nossas vidas somente para nos dizer uma frase que nos mostrará um caminho diferente e desaparecer logo em seguida. Pode ser que um outro ser permaneça alguns dias por perto, pois com este se faz necessário um tempo maior de convivência. Acontece também de pessoas passarem anos e mais anos juntas e acabarem se distanciando por motivos diversos. E nós ainda não conseguimos compreender o porquê dessas idas e vindas. Sofremos, nos martirizamos, nos questionamos o porquê de relações terminarem (e começarem) a todos os instantes.

Uma coisa tenho certeza: esse processo de idas e vindas acontece por algum motivo, pois o acaso não existe. Não é por acaso que namoramos uma pessoa e não outra; não é por acaso que nos tornamos amigos de um e não do outro; não é por acaso que temos a família que temos. E esse motivo, que muitos custam a compreender, possivelmente é uma lição que precisamos aprender ou ensinar, algo que precisamos compartilhar com estas pessoas.

É assim que Deus nos ajuda a todo momento, colocando outros seres no nosso caminho como instrumentos para que Suas lições sejam aprendidas; para que possamos evoluir. No entanto, nós sempre optamos por achar que o outro ser é que não nos valoriza, ou que Deus é impiedoso, ou que fizemos algo de errado, ouuuuu... E acabamos sempre indo em busca de respostas nas coisas negativas e nunca optamos por enxergar as positivas.

É pelo nosso egoísmo, vaidade e apego a matéria que ainda somos incapazes de compreender tal processo; que somos incapazes de deixar ir um ser que nos auxiliou e que nos fez tão bem, mas que necessita seguir seu caminho. É por estes nossos defeitos que não compreendemos que tudo e todos têm um tempo determinado juntos e que pode ser que este tempo não seja prorrogado. E é assim que queremos as pessoas de qualquer jeito ao nosso lado, a qualquer custo, não importa! Somos incapazes, ainda, de ver outro ser feliz longe de nós; incapazes de aceitar que este outro ser tem seu livre arbítrio para estar em outro lugar, com outras pessoas, vivendo novas situações. E somos, mais ainda, incapazes de compreender a Bondade Divina de nos proporcionar momentos de convivência com outras pessoas que, seja da forma que for, sempre haverá trocas de ensinamentos. E nunca as deixamos ir...

Aceitar as separações, seja ela de que espécie for, não é uma das tarefas mais fáceis de cumprir. Aceitar que não podemos viver eternamente ao lado de todas as pessoas que surgem na nossa vida é algo muito superior ao nosso entendimento. Mas, precisamos nos esforçar para compreender e aceitar isso, caso contrário viveremos revoltados contra Deus e as pessoas; viveremos pensando que fomos passados para trás, que não fomos valorizados, que não fomos amados e que as pessoas não merecem o nosso amor, nosso respeito e a nossa confiança.

Este ser, que um dia tivemos o privilégio de desfrutar momentos juntos e que hoje não faz mais parte da nossa vida, possivelmente está fazendo parte de outra e de alguma forma auxiliando a outros corações e outras mentes, assim como recebendo novos auxílios. Viver significa permitir-se novas experiências, novos momentos, novas convivências e, inevitavelmente, novas mudanças e transformações. Se o que amamos hoje amanhã não amarmos mais, é natural. Se um certo alguém é especial hoje, amanhã outro certo alguém também o será. Deixar livre as pessoas, especialmente aqueles que amamos de verdade, é uma das provas de amor e caridade que podemos dar aos outros e a nós mesmos.

Os caminhos de todos se cruzam por algum motivo e se distanciam por tantos outros. Devemos sim viver cada relacionamento de forma intensa, honesta, sincera e com amor e respeito, mas compreender que as partidas fazem parte do processo evolutivo da vida e de cada ser individualmente. Se uma porta se fechou hoje, acredite que amanhã uma janela se abrirá; e ela realmente irá se abrir, pois Deus não desampara nenhum dos seus filhos.

Portanto, acredite que Deus sempre tem planos melhores para cada um de nós, que podem não ser exatamente os mesmos que desejamos e sonhamos, e que mesmo que a dor da despedida seja forte, a alegria de uma nova chegada mostrará que sempre há uma nova chance, um novo caminho, uma nova vida a viver, novos ensinamentos a serem trocados. Sempre haverá tempos de renovação, basta que estejamos com nossos corações receptivos para as novas chegadas e amparados com as saídas!

Viviane Vasques
03/09/2011

14 de ago de 2011

DIA DOS PAIS


Para mim o Dia dos Pais não é o segundo domingo do mês de Agosto, mas todos os dias do ano! E devemos todos os dias agradecer estes homens que possibilitaram a nossa vinda a este planeta, que nos deram a vida, que são parte do ar que respiramos, que se responsabilizaram pela nossa educação, enfim, que realmente são parte de nós e nós deles.

Agradeço ao meu pai por sempre dialogar comigo de igual para igual (mesmo quando era criança); por me perdoar quando eu aprontava; por me instruir quando eu me perdia; por me dar carinho quando eu precisava de colo. Agradeço a ele também pelas noites que dormia ao meu lado e depois acordava todo cansado no dia seguinte para trabalhar; agradeço pelas inúmeras aventuras que vivemos juntos; agradeço por sempre me mostrar o que há de melhor dentro de mim; agradeço por me aceitar, me compreender e me amar com todos os meus defeitos. Agradeço, principalmente, por ter me aceito como filha e por ser meu grande herói!

Sinto saudades de tudo que vivemos juntos e do tempo em que éramos mais grudados. Ainda sinto falta do seu beijo e do seu abraço todos os dias ao dormir e acordar e suas palavras me dizendo que “tudo ficará bem”. Guardo tudo em meu coração como lembranças boas de um tempo muito bem vivido e que fazem parte do que eu sou hoje.

Pai querido, peço perdão por todas as vezes que te fiz chorar, por todos os fios de cabelo branco que fiz você ter, por todas as noites em claro que fiz você passar, por todas as palavras rudes que um dia eu disse, por todas as minhas atitudes grosseiras que te magoaram. E peço perdão por hoje não ter tanto tempo para nós dois.

Acredito muito em você! Peço a ti que não desista nunca da vida e que enfrente todos os obstáculos com amor, fé e esperança. Deus não desampara ninguém. Sei que não tenho muito a te oferecer, mas o que eu tenho, eu ofereço: o meu AMOR!

Ao meu pai, deixo aqui o meu imenso amor nesta simples palavras por tudo que me ensinou e ensina; por ser meu maior exemplo; por nunca me censurar e me julgar; por SEMPRE ESTAR AO MEU LADO.

Que todos os pais possam sentir em seus corações o poder do amor de um filho para um pai e de um pai para um filho. Mães são essenciais, assim como os pais! Precisamos de ambos em nossa vida para que possamos ter o mínimo de base para conduzirmos a nós mesmos.

Que Deus abençoe não somente o meu pai, mas todos desse imenso universo. Que Deus possa iluminar o coração de todos: aos presentes e aos ausentes; aos rudes e aos amorosos; aos mais novos e aos mais velhos; aos de primeira viagem e aos que tem inúmeros filhos; aos consangüíneos e aos adotivos; aos que são mães e pais ao mesmo tempo; aos que estão vivos e aos que estão mortos; enfim, que todos possam ser abençoados neste dia tão especial.

FELIZ DIA DOS PAIS!

27 de jul de 2011

FORÇA INTERIOR: A LUZ QUE DEVEMOS BUSCAR



Na tarde de sábado, dia 23 de julho de 2011, a cantora Amy Winehouse foi encontrada morta em seu apartamento... E o restante o mundo inteiro já sabe. Este foi o assunto de TODAS as redes sociais (e demais sites que querem ibope) no final de semana. No meu modo de ver, um verdadeiro sensacionalismo barato e cruel. Pessoas com erros iguais, ou até piores, que os dela, fazendo piadinhas, julgamentos e afins. Me pergunto: qual a finalidade disso?

As drogas são realidade! Ontem, hoje e, se não fizermos algo concreto e complexo, amanhã também! Os jovens estão se entregando às drogas todo o tempo. A cada dia ficamos sabendo que um amigo, um parente, um vizinho e tantas outras pessoas estão enfrentando esta situação. E, se a maioria ainda não percebeu, não há um padrão de usuários, pois vemos pobres e ricos, brancos e negros, bonitos e feios, com famílias estruturadas e sem estrutura, solteiros e casados, enfim! O que há são seres humanos se perdendo neste mundo.

Os motivos? Cada um elege o seu! Eu compreendo como sendo uma fuga da realidade. E eles realmente conseguem atingir esse objetivo usando drogas. Elas, as drogas, realmente os ajudam a fugir dessa realidade. Mas, eles ainda não compreenderam que esses momentos são curtos demais para as conseqüências de todos os gêneros que virão depois e que estão trocando seus problemas por outros beeeemmmmm maiores. Mas, quando percebem...

Eu, particularmente, não acho que a droga seja o grande vilão dessa história. Eu acho que nós mesmos somos os grandes vilões, pois nosso maior inimigo está dentro de nós! Ela é só um dos milhões de caminhos que podemos escolher para a destruição de um ser que ainda não sabemos quem é; que ainda não o conhecemos e que queremos fugir. O que nos falta é força para compreendê-lo, aceitá-lo, dominá-lo e superá-lo.

Não, não é tão fácil assim não, pois é muito mais prático se entregar a ela. ISSO é bem mais fácil do que se afastar dessas tentações e buscar dentro de nós o que realmente nos leva a querer este caminho. NINGUÉM, em sã consciência e em seu juízo normal, quer morrer de overdose! Ou de tantas outras formas que o uso de drogas pode acarretar...

Estive pensando... talvez essa moça que estão esculachando por aí nunca tenha tido ninguém que a escutasse, principalmente nos momentos de tristeza, angústia, dificuldades. Talvez ninguém nunca deu um abraço sincero nela. Talvez, na sua infância, ninguém nunca ensinou o que era ter limites. Talvez nenhum ser humano ao seu redor buscou compreendê-la. Talvez ela não tinha ninguém que aceitasse os seus defeitos e convivesse com eles de forma harmônica. Talvez ninguém nunca a amou de verdade e nem nunca ensinou a ela os valores morais e cristãos. Talvez ninguém nunca explicou que o efeito da droga até que é legal, mas que as conseqüências disso não. Talvez ela até sabia e tinha tudo isso, mas não conseguiu aplicar na sua vida prática. Talvez tenha lhe faltado força!

Algumas pessoas simplesmente não conseguem passar por essa existência enfrentando os obstáculos com fé, resignação e confiança na Justiça Divina. E conseguem menos ainda se estiverem sozinhas. Algumas pessoas realmente não conseguem resolver seus problemas com a mesma naturalidade que outras. A força interior de cada um é diferente! O que cada ser humano é capaz de enfrentar é diferente! E ninguém é melhor ou pior, alguns apenas precisam de mais amor, diálogo, compreensão, amizade verdadeira, compaixão, dedicação, atenção, companheirismo, esclarecimentos... Alguns precisam de muita (e amplie significativamente essa palavra) força para encontrar a luz que há dentro de si.

Se formos capazes de descobrirmos essa força interior, somos capazes de enfrentar esse monstro que se encontra dentro de nós e, consequetemente, tudo que está ao nosso redor. E vamos enfrentar a vida e todos os obstáculos que ela nos coloca. Assim, não vamos precisar de nenhum tipo de droga e nem qualquer outro tipo de fuga, pois conseguimos, enfim, nos encontrar conosco mesmos! Nos encontrar com Deus!

Mudemos nossa visão diante deste caso: ao invés de ficarmos falando sobre o que ela foi, como terminou, quem era ou deixou de ser, vamos orar por ela, pois é somente isso que ela precisa neste momento. A consciência dela é o suficiente para que se torture por um período muito longo. Ela não precisa de mais pessoas, tão imperfeitas quanto ela, a julgando e condenando! Faça aos outros o que gostaria que os outros fizessem a você.

Ao invés disso, voltemos um pouco para nossas vidas (sem sensacionalismo e exposições, por favor) e nos questionemos como seria se tivéssemos a vida dela. Questionemos-nos, também, se temos feito algo, na prática, por pessoas que se encontram perdidas e desamparadas nesta vida; se temos nos doado ao nosso próximo; se temos nos dedicado a tantas pessoas que se encontram perdidas e sem rumo; se nós estamos num caminho digno e valorizando o bem mais precioso que Deus nos deu: nossa vida!

Vamos regar os nossos corações de muito amor e espalhar esse amor por onde quer que passemos. Que este amor chegue amparando corações, resgatando vidas, devolvendo a dignidade de inúmeros seres, usuários de drogas ou não. É com amor e caridade que conseguiremos, juntos, de mãos unidas, despertar a fé, a esperança e a luz que há dentro de cada um de nós.

Viviane Vasques
24/07/2011

9 de jul de 2011

OS ERROS NOSSOS DE CADA DIA


Diz um velho ditado que “errar é humano, persistir no erro é burrice”. Concordo em gênero, número e grau que errar é humano. Discordo na mesma proporção de que é burrice, pois, como cobrar de alguém a capacidade de percepção do erro? E se tem essa percepção, como cobrar uma atitude? Talvez ela ainda não despertou a sua consciência para os reais e verdadeiros valores da vida, que nada mais são do que os Cristãos; talvez ela não tenha a força suficiente para isso.

É humano errar porque estamos humanos em processo evolutivo e de depuração da alma. Somos espíritos eternos, mas, estamos vivendo em corpos que nos possibilitam essa evolução, a qual acontece prioritariamente através de erros e posteriores acertos.

Mas, o que é errar? Errar é estar distante dos ensinamentos de Jesus. Em termos práticos, erramos quando julgamos nosso próximo, quando danificamos nosso corpo material e espiritual, quando buscamos vingança, quando matamos, quando traímos, quando somos falsos, quando desprezamos os nossos semelhantes, quando denegrimos um irmão, enfim, tudo aquilo que vai contra ao que Cristo nos deixou e que insistimos em não aceitar e menos ainda vivenciar.

Se pensarmos nessa óptica de que errar é humano, temos a princípio dois caminhos a seguir: o primeiro é continuar errando, pois, já que é normal errar e que todo mundo erra, por que se preocupar; o segundo é aprender com os erros, especialmente com os que nós cometemos. Digo especialmente com os que nós cometemos porque não podemos falar daquilo que não vivemos; não podemos falar da vida do próximo. E se aquela situação que julgamos acontecesse com nós, como reagiríamos a ela? Os mais evoluídos, ainda muito raros neste planeta, até aprendem através da observação, mas, nós, imperfeitos e inferiores que somos, aprendemos é pela dor mesmo!

Baseado neste segundo caminho, o ser erra, tem a percepção do seu erro, refleti sobre ele, busca soluções, tenta repará-lo e, então, ao invés de ficar procurando culpados e se lamentando, aprende com ele. E quando aprendemos, dificilmente caímos no erro novamente, pois conseguimos assimilar aquele aprendizado. Ao lidarmos com situação parecida iremos nos recordar do então vivenciado e aprendido anteriormente, pois conseguimos despertar-se para ele.

Abordando esse mesmo caminho, utilizo novamente outro ditado: “caiu? Então levanta e segue em frente!”. Mas, segue em frente refletindo. Segue em frente porque ficar parado remoendo o que aconteceu não modifica em absolutamente nada a situação; nem a sua, nem a do outro e nem a do mundo. Segue em frente porque é necessário cair para que possamos aprender a perceber a verdadeira essência da vida. Segue em frente tentando melhorar, buscando soluções, dividindo experiências, doando palavras, experienciando novas quedas e aprendendo com novos erros. Deixemos o passado no lugar dele, que é no passado, e pensemos em como melhorar o presente para que tenhamos um futuro melhor.

O universo é uma possibilidade imensa de erros! A todo instante estamos vivenciando experiências que nos levam a ele e que nos fazem, ou não, percebê-los. E nós caímos nelas! Eu, você e o outro! TODOS caímos nessas situações! Mas, se caímos, qual o problema? Fiquemos tranqüilos que Deus não vai nos mandar queimar no mármore do fogo do inferno. Ele sempre nos proporcionará um novo dia, uma nova chance de recomeçar, uma nova oportunidade de aprender e reparar. Ele sempre irá nos amparar, nos guiar, nos orientar, nos apoiar, nos levantar, nos ajudar a seguir em frente sempre de cabeça erguida.

Portanto, se errou, seja qual tenha sido o erro, não permaneça mais nele e faça tudo quanto possível, e até o impossível também, para repará-lo. Busque, inclusive, reparar na prática, pois palavras sem atitudes são apenas palavras; é apenas um alfabeto dito oralmente ou escrito. Diante disso, o importante não é deixar de errar, mas sim ter consciência dos erros.

A partir de hoje, sugiro que não mais nos foquemos na parte ruim e triste dos erros que cometemos, nos afundando em depressões e num mar de lágrimas ou de revoltas. Comecemos a refletir mais em como podemos modificar nossa situação em busca da nossa evolução e da evolução do planeta. Coloquemos as palavras AMOR e CARIDADE em ação... e tudo a nossa volta se modificará, começando por nós mesmos.

Fecho esta reflexão dizendo que errar é humano, persistir no erro é falta de consciência e aprender com ele é sabedoria! Quando passamos a viver e a sentir, e não somente a pensar assim, conseguimos ter uma vida mais calma e tranqüila, consciente de que todos estão propensos aos erros, mas, também, de que todos têm a capacidade de modificá-los, sempre com o auxílio do mais alto. Deus está conosco! E nos ama! Assim como devemos amá-lo, amar a si mesmo e amar ao próximo!


Viviane Vasques
02/07/2011